Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dezessete mortos em ataques contra igrejas no Quênia

Pelo menos 17 pessoas morreram neste domingo em atentados contra duas igrejas de Garissa, leste do Quênia, perto da fronteira com a Somália, no ataque mais violento desde a intervenção do Exército queniano do fim de 2011 no sul somali contra os islamitas shebab.

Homens armados abriram fogo e lançaram granadas contra duas igrejas da cidade de Garissa quando os fiéis estavam reunidos para a missa dominical. Os atentados coordenados não foram reivindicados, mas constituem sem dúvida uma nova represália depois da ação queniana contra os shebab, que prossegue atualmente.

“Dez pessoas foram mortas a tiros na igreja AIC (Africa Inland Church) e três ficaram feridas em uma igreja católica”, afirmou o chefe de polícia da região, Philip Ndolo.

“Condenamos estes atos da maneira mais firme”, completou.

Segundo o diretor da Cruz Vermelha queniana, Abbas Gullet, outras sete pessoas morreram em consequência dos ataques. Quarenta pessoas ficaram feridas, 10 delas em estado grave.

De acordo com a polícia, sete homens participaram nos ataques, mas ninguém foi detido até o momento.

“É um cenário terrível. Podemos ver os corpos no chão da igreja”, disse o chefe de polícia da província norte-oriental, Leo Nyongesa.

O Conselho Supremo dos Muçulmanos do Quênia condenou os ataques e recordou que “todos os lugares de culto devem ser respeitados”.

Garissa fica na província norte-oriental do Quênia, a 140 km da fronteira com a Somália. Esta cidade também fica a 70 km do gigantesco campo de refugiados de Dadaab, que abriga 465.000 refugiados somalis, onde na sexta-feira quatro trabalhadores humanitários estrangeiros da ONG Norwegian Refugee Council (NRC) foram sequestrados e um motorista queniano assassinado.

Várias cidades do Quênia, incluindo Nairóbi, a capital, e Mombasa, na costa, foram cenários de atentados nos últimos meses depois que o Exército queniano entrou, em outubro de 2011, no sul da Somália para expulsar os islamitas somalis shebab, que ameaçaram responder o que considderam uma “agressão”.

As forças de segurança que patrulham o setor queniano da fronteira também são regularmente alvos de ataques.

Em geral, as autoridades quenianas atribuem os atentados aos shebab, mas eles nunca reivindicaram os ataques.