Clique e assine a partir de 9,90/mês

Dezessete ficam feridos após protestos na Venezuela. Há 2 baleados

Polícia dispersou concentração em praça do Leste de Caracas

Por Da Redação - 3 mar 2014, 11h13

A polícia da Venezuela dispersou na noite de domingo, com bombas de gás lacrimogêneo, um grupo de manifestantes que estava reunido na Praça de Altamira e arredores, no Leste de Caracas. O grupo acabara de participar de um protesto contra o governo na região.

Ramón Muchacho, prefeito de Chacao, informou que os serviços de emergência de sua Prefeitura atenderam 17 pessoas no início da noite – duas delas foram baleadas.

“Não restaram manifestantes na Praça de Altamira. As vias permanecem fechadas, muito gás ainda no ambiente”. Ainda segundo a administrração municipal, outros oito feridos apresentavam oito por contusões/lacerações e sete tinham dificuldades respiratórias por inalação de gás”.

Leia também:

Continua após a publicidade

Relatório sobre direitos humanos critica a Venezuela

Supermercado estatal é o retrato da falência da Venezuela

Maduro começa a perder apoio entre os mais pobres

Casos de tortura são relatados em meio a repressão na Venezuela

Continua após a publicidade

Centro de emergências vê entrada de pacientes disparar após

No domingo, Caracas e outras cidades venezuelanas foram palco de manifestações convocadas por estudantes e com o apoio da oposição. Imagens mostraram concentrações que reuniram milhares de pessoas.

Na última sexta-feira, a GNB prendeu 42 pessoas nesse mesmo local, entre elas a fotojornalista italiana Francesca Commissari. Todos já foram foram libertados.

Nos últimos dias, surgiram várias as denúncias por parte de organizações de jornalistas sobre as dificuldades para o exercício de seu trabalho e sobre as prisões de profissionais da informação durante a cobertura dos protestos.

Continua após a publicidade

(Com agência EFE)

Publicidade