Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dezenas de jornalistas são detidos por suposta colaboração com PKK na Turquia

Ancara, 20 dez (EFE).- A polícia turca prendeu nesta terça-feira ao menos 35 pessoas, a maioria jornalistas, em uma nova onda de detenções contra a União de Comunidades do Curdistão (KCK), considerada como a ‘rede urbana’ do grupo armado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Segundo a edição digital do jornal ‘Hürriyet’, os detidos são acusados de serem ‘membros do comitê de cultura e imprensa do KCK’.

‘As operações começaram simultaneamente nesta madrugada e a polícia revistou casas e escritórios, que ainda estão sendo inspecionados’, disse à Agência Efe Ibrahim Aydin, redator-chefe do jornal de esquerda ‘BirGün’.

Aydin acrescentou que a polícia deteve duas colaboradoras do jornal, sendo que uma delas, Zeynep Kuray, foi presa em sua casa e ainda não há informações sobre o motivo, embora a maioria dos jornalistas detidos trabalhe na imprensa curda.

Também foram presos um fotógrafo da agência francesa ‘AFP’ e um colaborador do jornal ‘Vatan’.

Segundo o último Relatório de Progresso da União Europeia, cerca de 2 mil pessoas foram detidas na Turquia em várias operações contra o KCK.

Na última onda de prisões, que ocorreu em diversas cidades em 1º de novembro, foram detidos uma renomada professora, Busra Ersanli, e um editor e jornalista, Ragip Zarakolu, conhecido por seu ativismo em favor dos direitos humanos.

Mais de 700 intelectuais, professores, jornalistas e escritores turcos assinaram um manifesto de protesto pelas prisões.

Ahmet Abakay, presidente da Associação de Jornalistas Progressistas (CGD), declarou à Efe que um dos membros da associação está entre os detidos desta terça-feira, e pediu que ‘a imprensa e os jornalistas protestem’.

‘Essa opressão contra os jornalistas cria uma atmosfera de medo e autocensura e transforma a Turquia em um país de segunda classe’, afirmou.

As associações de jornalistas informam que 25 jornalistas foram detidos em Istambul e os demais em cidades como Mersin, Diyarbakir, Van, Sirnak – todas elas curdas -, além de Ancara e Esmirna.

Entre os alvos da operação estão também as três agências de notícias pró-curdas ‘Etha’, ‘Diha’ e ‘ANF’, além do jornal ‘Özgür Gündem’. EFE