Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Devido à quarentena, tartaruga-gigante volta a aparecer em praias

Sem a interferência humana, espécie sob ameaça de extinção põe mais ovos na Flórida e na Tailândia; apenas uma em cada 1.000 nascidas sobrevive

Por Da Redação Atualizado em 20 abr 2020, 17h42 - Publicado em 20 abr 2020, 17h23

Para evitar a propagação da Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, governos colocaram sob quarentena bilhões de pessoas e proibiram o acesso aos pontos turísticos, como praias, reservas naturais e parques. A ausência humana nesses locais trouxe benefício para uma das espécies em extinção: a tartaruga-gigante, a maior exemplar entre as espécies marinhas. Pesquisadores notaram que mais ninhos desses animais surgiram em praias da Flórida, nos Estados Unidos, e da Tailândia, do outro lado do mundo.

Autoridades ambientais da Tailândia descobriram nas praias agora desertas 11 novos ninhos de tartaruga-gigante. O número é o maior em 20 anos, disse Kongkiat Kittiwatanawong, diretor do Centro Phuket de Biologia Marinha, à agência Reuters. “Esse é um sinal muito bom para nós porque várias regiões de desova foram destruídas por humanos”. “Se compararmos com o ano passado, nós não tivemos esse tanto de ninhos porque as tartarugas sofrem com o risco de serem mortas por equipamentos de pesca e pela presença humana nas praias”.

Na Tailândia há 2.792 casos confirmados de Covid-19 e 47 mortos.

Na Flórida, pesquisadores afirmaram que a ausência de humanos fez com que o número de ninhos das tartarugas-gigantes aumentassem no sul do estado. O centro Loggerhead de Vida Marinha contou, ao todo, 76 ninhos da tartaruga e classificou o achado como um aumento “significante” em comparação com anos anteriores.

“Estamos animados ao ver nossas tartarugas prosperando nesse ambiente”, disse Sarah Hirsch, gerente sênior e pesquisadora do Centro Loggerhead, à emissora West Palm News Channel.

Em 2019, os pesquisadores na Florida documentaram cerca de 1.000 ninhos de tartaruga-gigante ao longo de 1.359 quilômetros da costa leste americana. Um aumento no número de ninhos significa maior probabilidade de a tartaruga recém-nascida sobreviver, já que se estima que uma a cada 1.000 nascidas consegue sobreviver.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com 776.513 casos e mais de 40.000 mortos. Na Flórida, são 26.660 casos da doença e 789 mortes.

O fenômeno não é o único exemplo. Javalis selvagens voltaram a aparecer na cidade israelense de Haifa, e veados puderam ser observados andando pelos subúrbios de Londres. Na África do Sul, leões foram avistados tirando um cochilo na estrada de um parque nacional – normalmente os felinos só eram vistos nessa região somente à noite.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês