Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Detenções de crianças migrantes na fronteira dos EUA triplicam em 14 dias

Mais de 3.250 menores desacompanhados foram presos e quase metade ficou irregularmente em instalações para adultos; governo Biden sente pressão

Por Da Redação Atualizado em 11 mar 2021, 08h27 - Publicado em 9 mar 2021, 13h45

Na fronteira dos Estados Unidos com o México, o número de detenções de crianças migrantes triplicou nas últimas duas semanas. Segundo documentos obtidos pelo jornal americano The New York Times, mais de 3.250 crianças desacompanhadas foram presas em instalações para imigrantes sem documentos.

Por lei, só é permitido que menores de idade sejam detidos por até 72 horas antes de serem transferidos para abrigos. Contudo, até o dia 8 de março, pelo menos 1.360 crianças (ou 42%) haviam ficado além do período estipulado em instalações da agência de Alfândega e Proteção de Fronteiras. Semelhantes a prisões, elas foram construídas para adultos.

Além disso, a agência é há tempos alvo de críticas pelas unidades de detenção superlotadas, nas quais as crianças são expostas a doenças e têm acesso limitado a alimentos.

Os números aumentam a pressão sobre o presidente Joe Biden para lidar com a crescente onda de imigrantes tentando cruzar a fronteira sul do país. Segundo o Times, existe uma crença generalizada de que ele será mais acolhedor do que o ex-presidente Donald Trump, que governou com uma política de tolerância zero a imigrantes sem documentos.

Durante a campanha presidencial, o democrata prometeu ser mais compassivo com imigrantes, especialmente durante a pandemia de coronavírus. A reação foi quase imediata: em janeiro, agentes de fronteira registraram 78.000 tentativas de adentrar os Estados Unidos, o maior número do mês em pelo menos uma década.

A maioria deles eram adultos ou famílias, rapidamente rejeitados devido a uma regra de emergência de pandemia, mas crianças desacompanhadas são um caso à parte. Mais de 5.800 delas foram encontradas na fronteira em janeiro, um aumento de mais de 1.000 em relação a outubro de 2020.

É dever do governo federal transferir menores de idade para abrigos administrados pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos. Funcionários da Segurança Interna responsabilizam o departamento, que estaria se atrasando para buscar as crianças, pela detenção prolongada.

Os abrigos estavam com capacidade reduzida por causa da pandemia, mas na sexta-feira 5 os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs) suspenderam as restrições. Agora, de acordo com os documentos, as instalações para crianças migrantes estão a 13 dias de distância da “capacidade máxima”. Biden reabriu uma instalação de emergência no Texas para criar mais espaço.

Até o domingo 7, havia mais de 8.100 crianças desacompanhadas nos abrigos do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, com vagas disponíveis para apenas mais 838. Atualmente, há mais de 440 menores de idade em instalações na fronteira esperando transferência para abrigos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)