Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Deslizamentos de terra no Japão matam 36

O primeiro-ministro Shinzo Abe interrompeu suas férias para coordenar as operações de resgate em Hiroshima, a cidade mais afetada pelas chuvas

Por Da Redação 20 ago 2014, 09h06

Pelo menos 36 pessoas morreram e sete são consideradas desaparecidas após deslizamentos de terra provocados por intensas chuvas em Hiroshima, no sudoeste do Japão, segundo um balanço oficial. Os deslizamentos que surpreenderam os moradores durante a noite sepultaram casas em vários bairros em uma área de quase 20 quilômetros quadrados. A Agência Meteorológica japonesa declarou alerta máximo para precipitações nesta região montanhosa, que teve o volume recorde de 243 milímetros de chuvas nas últimas 24 horas. A polícia e os bombeiros receberam dezenas de alertas de pessoas soterradas ou arrastadas pelas cheias de canais e rios, segundo a agência Kyodo.

Entre as vítimas em Hiroshima estava uma criança de dois anos que ficou soterrada na zona rural, assim como um idoso de 77 anos que foi arrastado pelas águas do rio Nenotanigawa, que transbordou. Um bombeiro que participava das operações de resgate também morreu, segundo a emissora estatal NHK. Os agentes dos bombeiros e da defesa civil trabalham em condições muito difíceis, pois as chuvas ainda não cessaram e novos deslizamentos podem ocorrer. Alguns bairros também tiverem interrupção no fornecimento de energia elétrica e água.

Leia também

Casal localiza filho desaparecido no tsunami de 2004

Japão cancela voos por chegada de tufão

Homem que intoxicou milhares no Japão é condenado

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, anunciou o envio de “centenas de soldados” para ajudar os bombeiros e paramédicos nas operações de resgate. A eles se somarão mais de 200 policiais da cidade de Osaka e de outras províncias próximas. Abe interrompeu seu período de férias para coordenar as operações e deu instruções para serem feitos “todos os esforços” para resgatar as pessoas afetadas.

(Com agências France-Presse e EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade