Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Depoimento revela os últimos instantes de Abraham Lincoln

Relato de médico mostra comoção 147 anos após último suspiro do presidente

O testemunho de um jovem médico que correu para socorrer Abraham Lincoln, quando o presidente dos Estados Unidos foi assassinado em 1865, acaba de ser encontrado nos Arquivos Nacionais de Washington, depois de ter ficado desaparecido por 147 anos. A cópia das 21 páginas de um relatório do médico militar Charles A. Leale, com 23 anos na época, foi descoberta por uma pesquisadora da associação Documentos de Abraham Lincoln, Helena Ilhas Papaioannou, entre centenas de caixas de arquivos dos serviços médicos do Exército, anunciou a entidade, que se dedica a estudar a obra escrita do 16º presidente dos Estados Unidos.

Leia também:

Leia também: Lincoln foi um grande estadista – e um gênio da linguagem

Charles Leale, formado em Medicina seis semanas antes do atentado, indicou, em um depoimento escrito poucas horas depois do fato, que ele se encontrava naquele 14 de abril de 1865 no Teatro Ford, em Washington, a cerca de dez metros de distância do presidente. “A apresentação da peça Our American Cousin (Nosso Primo Americano), seguia agradavelmente o seu curso, quando, de repente, ouvimos claramente um tiro. Um minuto depois, vimos um pequeno homem saltar (do camarote) no palco”, escreveu o médico que desconhecia até então a identidade do assassino John Wilkes Booth.

“Houve gritos: ‘O presidente foi assassinado!’, e depois ‘Matem o assassino'”, contou o jovem médico, que foi levado às pressas para o camarote. “Assim que a porta se abriu e eu entrei, fui apresentado à Sra. Lincoln que disse: ‘Doutor, faça o que puder por ele, faça o que puder’. Eu respondi que faríamos o nosso melhor”, escreveu. O jovem, o primeiro médico a chegar, descreve em seguida, de maneira muito clínica, o estado do presidente, como ele localizou a bala em sua cabeça e pediu por “água oxigenada e água”.

Os médicos oficiais chegaram ao local e decidiram levar Abraham Lincoln para uma casa próxima, onde “colocamos o presidente na diagonal em uma cama, que era muito pequena”, escreveu Charles Leale. Após examinar o ferimento, “nada mais foi feito, além de impedir a coagulação do sangue”, prossegue o relatório, relatando o pulso intermitente do presidente e sua respiração cada vez mais difícil. “Às 7h20, ele deu seu último suspiro e sua alma voou para Deus”, acrescenta a testemunha.

Importância – Para Daniel Stowell, diretor da associação, “este relatório é notável porque é um testemunho feito naquele mesmo momento, de maneira comovente. Podemos sentir como Leale e outros médicos sentiram-se impotentes, mas, ao mesmo tempo, não afundaram no sentimentalismo”, disse.

Abraham Lincoln (1809-1865), um dos presidentes americanos mais admirados – e o primeiro a ser assassinado – foi eleito algumas semanas antes do início da Guerra de Secessão e morto cinco dias após o fim oficial do conflito entre o norte e o sul. Ele permanece na história como aquele que assinou o documento de abolição da escravatura – e também por ter impedido a divisão dos Estados Unidos em duas nações.

O assassino John Wilkes Booth, morto a tiros duas semanas depois pelo Exército, era um defensor do sul escravocrata. Charles Leale enviou, em julho de 1867, uma cópia do seu relatório, escrito pela mão de um secretário, para a comissão da Câmara dos Deputados encarregada de investigar o ataque, e nada mais foi dito sobre ele. Apenas uma alusão foi registrada em 1909, 44 anos depois, em um discurso para marcar o centenário do nascimento do presidente assassinado.

(Com agência France-Presse)