Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Declaração de 36 países acusa sauditas de desrespeito a direitos humanos

Membros do Conselho de Direitos Humanos pedem libertação de ativistas e investigação transparente sobre morte do jornalista Jamal Khashoggi

Por Da Redação
7 mar 2019, 17h36

Ao menos 36 países, incluindo os 28 membros da União Europeia (UE), assinaram uma carta aberta criticando o tratamento dos direitos humanos pela Arábia Saudita nesta quinta-feira 7 no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Esta é a primeira vez que o Conselho questiona o reino sobre suas políticas internas de repressão desde que o órgão foi criado em 2006.

A declaração, liderada pela Islândia, exorta a Arábia Saudita a libertar ativistas de direitos humanos presos por “exercerem suas liberdades fundamentais” e “divulgar todas as informações disponíveis” sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

“Peço à Arábia Saudita que garanta que todos os membros do público, incluindo defensores dos direitos humanos e jornalistas, possam exercer livremente e plenamente seu direito à liberdade de expressão e associação, inclusive online e sem medo de represálias”, disse o embaixador da Islândia, Harald Aspelund, na reunião do Conselho em Genebra.

Ele também pediu a libertação das ativistas Loujain al-Hathloul, Hatoon al-Fassi e Samar Badawi e de outras pessoas presas no país por defender o cumprimento dos direitos humanos.

Na semana passada, a Procuradoria-Geral da Arábia Saudita anunciou que irá julgar ao menos 10 ativistas por fazerem campanha a favor dos direitos das mulheres, entre elas al-Hathloul, al-Fassi e Badawi. As autoridades sauditas foram acusadas de torturar as mulheres na prisão.

Continua após a publicidade

Ao ler a carta nesta quinta, Aspelund também disse que “as investigações sobre o assassinato [de Jamal Khashoggi] devem ser independentes e transparentes”.

A declaração coletiva foi assinada por todos os países da União Europeia, Islândia, Austrália, Canadá, Noruega, Nova Zelândia, Liechtenstein, Mônaco e Montenegro. Na quarta-feira, 6, a comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, pediu a libertação das ativistas detidas pela Arábia Saudita.

“Hoje, permitam-me expressar minha preocupação com a prisão e detenção aparentemente arbitrárias, e os supostos maus tratos e tortura, de várias defensoras dos direitos humanos das mulheres na Arábia Saudita”, disse Bachelet, em discurso ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. “A perseguição de ativistas pacíficas contraria claramente o espírito das novas reformas proclamadas pelo país”, acrescentou.

Na semana passada, o vice-procurador-geral saudita disse ao jornal saudita Alsharq Alawsat que seu escritório analisou reportagens segundo as quais as mulheres foram torturadas e não encontrou nenhuma prova, classificando-as como “falsas”.

O príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, adotou reformas que reduziram a discriminação, como permitir que as mulheres dirijam. Mas as ativistas sauditas dizem que as mulheres que lideraram tais campanhas continuam atrás das grades e que algumas delas foram torturadas desde que foram presas em maio.

Continua após a publicidade

Em relatório divulgado em Genebra na segunda-feira 4, o Centro de Direitos Humanos do Golfo disse que algumas ativistas sauditas foram submetidas a torturas, como choques elétricos, chibatadas, açoites e agressões sexuais.

A Arábia Saudita também vem recebendo muitas críticas por seu papel na guerra do Iêmen e pela recusa em apontar os culpados pelo brutal assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, ocorrido no consulado do país em Istambul em outubro de 2018. O governo saudita, principalmente o príncipe Bin Salman é acusado de estar por trás da morte de Khashoggi.

O reino atualmente lidera uma coalizão militar contra os rebeldes houthis no Iêmen. O conflito já deixou cerca de 10.000 civis mortos e desencadeou a pior tragédia humanitária da atualidade, segundo as Nações Unidas.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.