Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Cúpula dos Brics na Rússia vira palanque para Putin

A cúpula na pequena cidade de Ufá é uma ótima chance para a Rússia mostrar ao Ocidente que pode se virar muito bem sem a proximidade das potências ocidentais

Por Da Redação 6 jul 2015, 12h31

O grupo de países emergentes Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) vai lançar um banco de desenvolvimento em reunião de cúpula nesta semana. O evento será uma ótima oportunidade para presidente russo, Vladimir Putin, aparecer e mostrar que a Rússia não está isolada no jogo geopolítico global.

O encontro será realizado na distante cidade russa de Ufá – originalmente uma fortaleza erguida por ordem do czar Ivan, o Terrível -, e os países do grupo pretendem dar os toques finais para por em funcionamento uma instituição financeira conjunta e um fundo de 100 bilhões de dólares (mais de 300 bilhões de reais) em reservas. Os Brics representam um quinto da produção econômica do mundo e 40% de sua população. O fundo e o Novo Banco de Desenvolvimento, que tem um capital inicial de 50 bilhões de dólares (150 bilhões de reais), é essencial para os esforços do grupo para reformular o sistema financeiro liderado por potências ocidentais.

Leia também

Putin anuncia que Rússia terá 40 novos mísseis nucleares intercontinentais

Putin inaugura ‘Disney do Exército’ para militarizar juventude russa

De olho na Rússia, EUA podem enviar seus caças mais modernos à Europa

Continua após a publicidade

“Nesta reunião, colocaremos em funcionamento nossas duas maiores instituições, o que é crucial para avançarmos como grupo e aprender mais uns com os outros”, disse à agência Reuters um representante brasileiro envolvido nos preparativos da cúpula. “Ninguém achava que isso seria possível um ano atrás, quando ratificamos as propostas”, acrescentou o funcionário, que pediu para não ser identificado por não ter permissão de falar publicamente sobre o encontro de dois dias que começa na quarta-feira.

Palanque – Além da pauta financeira, na agenda de reuniões também estão outros temas, como a situação na Ucrânia e a ameaça do Estado Islâmico (EI). A intenção da Rússia, que recebe este ano a 15ª cúpula dos Brics, é promover a dimensão política do fórum, que nasceu com uma vocação essencialmente econômica. Com isso, o país pretende ganhar peso e apoios em um momento em que suas relações diplomáticas com a Europa e Estados Unidos estão muito fragilizadas.

Leia mais

Como estará o mundo daqui a 10 anos?

Para Putin, que voltou seu foco às economias emergentes, especialmente a Ásia, depois que o Ocidente impôs sanções a Moscou em função de seu papel na crise da Ucrânia, a cúpula também é uma ótima chance de mostrar ao Ocidente que a Rússia pode se virar muito bem sem as potências ocidentais. “Os Brics, além de sua pauta econômica e pragmática, se tornaram um fator influente na política global”, disse o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, na semana passada.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade