Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Cubanos e Fidel: a indiferença com um personagem já esquecido

Pelas ruas de Havana, há poucas menções à morte de Fidel Castro. As homenagens ficaram restritas à Praça da Revolução, visitada por cubanos e turistas

Por Duda Teixeira, de Havana Atualizado em 30 nov 2016, 18h14 - Publicado em 28 nov 2016, 20h50

Os habitantes e turistas de Havana escutaram uma salva de canhão às 9h da manhã desta segunda-feira. “Estão caindo bombas!”, brincou uma grávida com vestido de oncinha. “Proibiram a música e agora temos de ouvir essas coisas”, disse a funcionária de um restaurante. A salva de canhão foi a primeira ação para lembrar o ditador Fidel Castro desde sua morte, na noite da sexta-feira.

Durante dois dias, os cubanos não expressaram qualquer sentimento pela morte do comandante da Revolução Cubana. Foi um final de semana como outro qualquer. Nas conversas, eles sequer se indagavam sobre qual seria a causa da morte do ditador.

Pelas ruas de Havana, há cerca de meia dúzia de cartazes pequenos com a foto de Fidel com um fundo preto, mas eles estão restritos aos prédios públicos, como o Museu da Revolução. Ninguém usa camisetas com o rosto de Fidel, lenços vermelhos ou qualquer outra coisa que lembre o morto ou sua ideologia.

No centro de Havana, todos os que aparecem com bonés verde-oliva de estilo militar e uma estrela vermelha são turistas estrangeiros, principalmente europeus. “Os cubanos não sabem o que é se manifestar espontaneamente em público. Nem mesmo quando há finais de campeonatos esportivos eles vão para as ruas. Só fazem isso quando são mandados pelo governo”, diz a documentarista e música cubana Lia Villares, que vive em Havana.Sendo assim, as manifestações ficaram restritas à Praça da Revolução, que fica a dez minutos de carro do centro. Na segunda-feira, cubanos e estrangeiros enfrentavam filas de quatro horas para ver uma foto de Fidel acompanhada por medalhas, flores brancas e jovens perfilados. No cartaz, uma mensagem importante: “O Partido Comunista de Cuba é o único herdeiro legítimo do legado e da autoridade do comandante em chefe da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz”.

Fila para homenagear Fidel Castro, na Praça da Revolução, em Havana
Fila para homenagear Fidel Castro, na Praça da Revolução, em Havana Duda Teixeira/VEJA

A Praça da Revolução estava povoada por militares em uniforme cáqui. Venezuelanos compareceram com aventais brancos, camisetas pedindo voto para Nicolás Maduro, para o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e com a imagem de Hugo Chávez, mas nenhuma camiseta de Fidel. Equatorianos, mexicanos e espanhóis ostentavam suas próprias bandeiras e outros símbolos nacionais.

  • Nos colégios e em algumas empresas estatais, cubanos também tiveram de fazer fila para assinar livros de condolências. Na escola primária Agustin Gómez-Lubián Urioste, no bairro de Havana Velha, a fila tinha cerca de dez pessoas, que permaneciam em silêncio ou conversavam amigavelmente. Em uma sala repleta de bandeiras e fotos de Fidel e uma televisão ligada, mas sem sinal, eles escreviam o nome e assinavam. O livro de condolências tinha na capa uma foto de Fidel e a palavra: “Ordene!”, em letras maiúsculas. Muitos que estavam no colégio traziam no pescoço o crachá de funcionário público. Um homem passou na frente e pediu: “Prima, assina para mim?”. Às 10h da manhã, já não havia mais ninguém.

    Estudantes cubanos dias após a morte de Fidel Castro
    Estudantes cubanos em Havana dias após a morte do ex-ditador Fidel Castro Duda Teixeira/VEJA

    Nas lojas de lembrancinhas para turistas em Havana Vieja, só se encontram pequenos quadrinhos de Fidel, geralmente do tamanho de um ladrilho e que ficam no chão ou pelos cantos. O custo em geral é de 3 cucs (10 reais). Quem domina essas lojas com sua imagem é Che Guevara. Do argentino, há bonés, telas coloridas, camisetas, sacolas e placas de carro.

    Loja de souvenir em Havana Vieja mostra poucas lembranças de Fidel Castro
    Loja de souvenir em Havana Vieja exibe pouquíssimas lembranças de Fidel Castro Duda Teixeira/VEJA
    Continua após a publicidade
    Publicidade