Clique e assine com 88% de desconto

Cuba pós-Fidel: entre o Vietnã e a Coreia do Norte

Assim como a morte de Le Duan permitiu que o Vietnã abrisse a economia, Cuba pode ter o seu momento de alívio

Por Duda Teixeira - Atualizado em 26 nov 2016, 16h37 - Publicado em 26 nov 2016, 13h31

Com a morte do ditador Fidel Castro, a ilha de Cuba fica entre duas alternativas: Vietnã ou Coreia do Norte.

“Este evento pode ser como a morte de Le Duan no Vietnã em 1986. Foi isso o que permitiu uma eleição mais liberal no Congresso do Partido Comunista e o pacote de reformas ‘doi moi’, que abriu o país”, diz o economista Rafael Romeu, da Associação para o Estudo da Economia Cubana, em Washington.

Essa perspectiva é baseada na ideia de que Raúl Castro, que assumiu o poder em 2008, seria mais propenso a permitir mudanças econômicas, mas não teria ido adiante por causa da influência do irmão Fidel.

A China, por exemplo, demorou apenas cinco anos para realizar todas as reformas necessárias. Raúl está no poder há oito anos e nada mudou.

Publicidade

 

Leia também

Ditadura aumenta policiamento com medo de manifestações

Cubanos em Miami comemoram morte de Fidel Castro

Publicidade

Como Cuba consegue ter baixa mortalidade infantil?

 

Mesmo decisões para permitir que as pessoas tocassem negócios próprios depois foram revertidas. Em vários casos, o governo aumentou tanto os controles e os impostos que as atividades ficaram impraticáveis. Cuidadores de banheiros públicos precisam seguir preços tabelados e devem pagar taxas para a ditadura. Taxistas que andam de coco-taxi, um carro de fibra de vidro impulsionado por uma moto, só podem cobrar dos clientes com base no taxímetro, o qual é vigiado pelos oficiais do governo.

A outra possibilidade é a de que os políticos e militares do regime, com medo de perder os privilégios, fechem ainda mais o sistema político. Nesse caso, a ilha se tornaria uma versão caribenha da Coreia do Norte.

Publicidade