Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cuba não inclui empresário americano em indulto a presos

Quase 3.000 prisioneiros devem ser libertados depois do 'gesto humanitário'

Por Da Redação
24 dez 2011, 04h02

O ditador cubano Raúl Castro anunciou nesta sexta-feira um indulto para quase 3.000 presos, sendo 86 deles estrangeiros. A lista, no entanto, não incluiu o empresário americano Alan Gross, condenado a 15 anos de prisão. Gross, de 62 anos, foi preso em dezembro de 2009, acusado de oferecer ilegalmente em Cuba tecnologia ligada à internet, e condenado por “crime contra a segurança nacional”.

“Manifestamos nossa disposição a conceder a liberdade antecipada a 86 cidadãos de 25 países, entre eles 13 mulheres”, disse Castro no parlamento. Segundo o ditador, a medida beneficia “mais de 2.900 presos”, representa “um gesto humanitário” de Cuba e envolve mulheres, doentes, idosos e jovens que elevaram seu nível cultural na prisão.

Estão excluídos, “salvo poucas exceções”, condenados por espionagem, terrorismo, assassinato, tráfico de drogas, pederastia com violência, assalto a residência, estupro e corrupção de menores, assinalou. Segundo Castro, o indulto foi concedido a pedido de parentes dos presos, das igrejas Católica e Protestante, e às vésperas da visita do Papa Bento XVI, marcada para março.

Recorde – O indulto anunciado é o maior nos 53 anos de regime e será aplicado nos próximos dias. Ele supera o concedido um mês depois da visita do papa João Paulo II a Cuba, em janeiro de 1998, que compreendeu 299 presos. O número total de prisioneiros no país não foi divulgado.

Em abril de 2008, Fidel Castro anunciou a comutação da pena de morte de vários presos comuns, que foi substituída por penas de prisão perpétua ou de 30 anos, em consonância com uma política aplicada desde 2000 e interrompida em 2003, quando foram executados três sequestradores.

Continua após a publicidade

Entre julho de 2010 e no começo deste ano, o regime cubano abriu um processo de libertações de presos políticos que contou com a mediação da Igreja Católica da ilha e do governo da Espanha e soltou 126 pessoas.

Leia também:

Leia também: Dissidente cubano diz que a única solução para ilha é troca política

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.