Clique e assine a partir de 9,90/mês

Cuba estuda flexibilizar viagens ao exterior

Por Ricardo Gomez - 19 mar 2008, 18h31

O chanceler de Cuba Felipe Ramón Pérez Roque (foto) declarou nesta quarta-feira que o governo de seu país estuda a possibilidade de aliviar as exigências feitas aos cubanos que desejam viajar ao exterior. A iniciativa confirma a intenção do governante da ilha, Raúl Castro, de eliminar o que descreveu como “excesso de proibições”, anunciada nas últimas semanas.

Após participar de uma reunião com cubanos residentes no exterior, em Havana, Roque afirmou que o governo de seu país se comprometeu a facilitar a relação entre as pessoas que vivem fora e suas famílias em Cuba, tornando ágil todos os processos e regulamentações de viagem. O chanceler, contudo, não adiantou quais proibições serão abolidas por Raúl Castro. Atualmente, para um cubano deixar o país, as autoridades exigem dele uma carta convite e uma permissão de saída.

Abertura? – Depois de assumir o posto deixado pelo ditador Fidel Castro, no dia 24 de fevereiro, seu irmão Raúl adotou medidas que sinalizam que o governo cubano pode estar começando a tomar um rumo menos autoritário. Uma delas foi a liberação de venda no varejo de computadores e outros eletrodomésticos. Raúl também promoveu a descentralização do comércio de insumos agrícolas, controlados pelo governo.

Cerca de 1,5 milhão de cubanos vivem fora do país, especialmente nos Estados Unidos. Segundo Havana, quase 193.000 cubanos residentes no exterior visitaram a ilha caribenha em 2007, um “recorde histórico”.

Continua após a publicidade
Publicidade