Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cuba e EUA: o início do fim de um símbolo da Guerra Fria

Por Da Redação 19 dez 2014, 00h00

“Serenamente. Serenamente. Estamos dispostos a morrer em nossos postos. O que não sabemos é se os generais do Pentágono e os senadores que proclamam a guerra contra nossa pátria estão também dispostos a morrer.” Estamos em 27 de outubro de 1962. A retórica bélica de Fidel Castro ressoava pelos alto­-falantes do Malcón, a muralha que protege Havana dos humores do Mar do Caribe. Não era retórica vazia. Fidel estava montado em baterias de mísseis soviéticos SS-4 prontos para ser disparados e apontados para Washington, Nova York e Chicago. Enquanto isso, na Casa Branca, Robert Kennedy, ministro da Justiça e irmão do presidente John Kennedy, avaliava aquele momento como o mais tenso da Crise dos Mísseis, entre Estados Unidos e Cuba, apoiada pela União Soviética.

“Em outubro de 1962, o presidente John Kennedy escolheu um caminho de ação que, no seu julgamento, trazia a probabilidade de uma em três de uma guerra nuclear”, escreveu Bob Kennedy. Foi o “Sábado Negro” da crise, dia em que um avião espião americano foi abatido sobre Cuba e seu piloto morreu. A guerra parecia inevitável. John Kennedy e o líder soviético Nikita Kruschev cortaram seus canais diretos de comunicação. Em uma derradeira tentativa de evitar o pior, Bob Kennedy foi sozinho à casa de Anatoly Dobrynin, embaixador soviético em Washington. Saiu de lá com um acordo. Os americanos se comprometiam a, secretamente, tirar seus mísseis instalados na Turquia, e os soviéticos aceitavam retirar imediatamente todo o seu arsenal nuclear de Cuba. Ufa! Acabou a crise de treze dias que levara o planeta à beira do precipício e colocara Havana no centro do palco da Guerra Fria, que dividia o mundo entre o capitalismo e o comunismo. Na semana passada, depois de cinquenta anos espetada como um espinho em uma das garras da águia americana, Cuba, finalmente, pôde retomar seu destino de ensolarada ilha do Caribe, ponto turístico atraente, habitado por um povo alegre e hospitaleiro. Barack Obama, presidente americano, e seu colega cubano, Raúl Castro, anunciaram o começo da normalização das relações entre os dois países.

Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no tablet, no iPhone ou nas bancas. Tenha acesso a todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Outros destaques de VEJA desta semana

Continua após a publicidade
Publicidade