Clique e assine a partir de 8,90/mês

Cruzeiro entre EUA e Cuba, o primeiro em 50 anos, chega a Havana

Navio, que zarpou de Miami com 700 pessoas a bordo, atracou na capital cubana nesta segunda-feira

Por Da Redação - 2 Maio 2016, 15h44

O primeiro cruzeiro a cumprir o trajeto entre Estados Unidos e Cuba em mais de 50 anos chegou a Havana. Uma multidão de pessoas esperava pela embarcação – algumas seguravam bandeiras americanas e cubanas – e por seus 700 passageiros no porto da capital. O navio Adonia de Fathom, filial da empresa americana Carnival, zarpou de Miami na tarde de domingo e atracou às 11h30 (horário de Brasília) desta segunda-feira.

Este primeiro cruzeiro acontece no ano seguinte à reconciliação política de Estados Unidos e Cuba. Embora o embargo americano sobre a ilha, imposto em 1962, permaneça em vigor, o governo de Barack Obama flexibilizou algumas das restrições econômicas e acordou com Havana a retomada dos voos comerciais, do correio e dos cruzeiros.

Leia também:

Italiano com perna amputada vai nadar de Cuba aos EUA

Vestidos florais usados por Michelle Obama em Cuba valem 23 vezes o salário anual médio dos cubanos

Continua após a publicidade

Obama: “É preciso ter muita valentia para fazer ativismo em Cuba”

Obama pede liberdades civis e cobra fim do embargo a Cuba

A Carnival chegou a negar reservas feitas por cubanos-americanos para o cruzeiro, condicionando a embarcação deles à autorização do governo de Raúl Castro. O líder do país, no entanto, suspendeu somente na semana passada as restrições para viagens marítimas de cubanos aos Estados Unidos. Por isso, em sua primeira viagem, o navio Adonia transportou apenas seis cubanos.

A viagem terá duração de uma semana e passará por vários portos de Cuba, começando por Havana. A Carnival fará cruzeiros à ilha duas vezes por semana com o objetivo de promover o intercâmbio cultural entre os dois países. Devido ao embargo, os americanos não podem fazer turismo livremente em Cuba e devem obter uma série de autorizações para visitar a ilha comunista.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade