Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cronologia de libertações de sequestrados pelas Farc

Bogotá, 1 abr (EFE).- As libertações, previstas para os dias 2 e 4 de abril, dos últimos dez policiais e militares em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) porão fim a denominada lista dos ‘passíveis de troca’, sequestrados que durante anos a guerrilha teve intenção de trocá-los por 500 insurgentes presos.

As Farc chegaram a ter na década 2000-2010 mais de 70 ‘passíveis de troca’, número que foi sendo reduzido até os 10 atuais, com libertações, mortes, assassinatos e fugas.

A primeira libertação de militares ocorreu em junho de 2001, no frustrado processo de paz impulsionado pelo então presidente Andrés Pastrana.

Naquela ocasião, chegou-se a um ‘acordo humanitário’ pelo qual foram libertados mais de 350 militares e policiais que estavam nas mãos das Farc e, em troca, 14 insurgentes saíram da prisão.

Em 2002, as Farc elaboraram uma lista de ‘passíveis de troca’ (então 60) na qual figuravam seis congressistas, 12 deputados estaduais, a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e sua companheira de partido, Clara Rojas; três americanos e dezenas de soldados e policiais; mas a troca não chegou a acontecer.

Cinco anos depois, em 2007, houve uma tentativa de mediação por parte do presidente venezuelano, Hugo Chávez, que foi cancelada pelo presidente Álvaro Uribe em novembro.

Como gesto de ‘desagravo’ para com Chávez, os rebeldes liberaram dois reféns em janeiro do ano seguinte.

A partir daí ocorreram uma série de libertações até 2010, quando anunciaram a libertação de outros cinco sequestrados como gesto de desagravo, neste caso, a Piedad Córdoba, destituída de seu cargo de senadora. Estas libertações ocorreram em fevereiro de 2011.

Desde 2008, as Farc deram liberdade a 21 sequestrados. Além disso, quatro conseguiram fugir, entre eles, o ex-congressista Oscar Tulio Lizcano, e outros 19 foram resgatados pelo Exército em duas operações.

Em 2008 foram resgatados Ingrid Betancourt, três americanos e 11 militares e policiais, e em 2010 devolveu a liberdade ao general da Polícia Luis Mendieta e três militares mais.

Numa atitude de represália a uma suposta operação militar de resgate, em 26 de novembro de 2011, as Farc assassinaram quatro reféns (os policiais Edgar Yesid Duarte Valero, Elkin Hernández Rivas e Álvaro Moreno, e o sargento do Exército José Líbio Martínez).

Dias depois, as Farc declararam sua intenção de prosseguir com as libertações unilaterais de sequestrados e em 26 de fevereiro de 2012 anunciaram sua renúncia ao sequestro com fins de extorsão e a libertação dos dez militares e policiais que mantêm sequestrados.

À parte dos denominados ‘passíveis de troca’, mais de 400 civis continuam reféns nas selvas da Colômbia em poder de grupos armados, segundo a Fundação País Livre.

Cronologia das libertações das Farc:.

2008.

– 10 de janeiro: As Farc libertam a ex-parlamentar Consuelo González de Perdomo e a ex-candidata a vice-presidente da Colômbia Claras Rojas, sequestradas em 2001 e 2002.

– 27 de fevereiro: Os ex-congressistas Gloria Polanco de Lozada, Luis Eladio Pérez Bonilla, Orlando Beltrán Cuéllar e Jorge Eduardo Gechem Turbay são libertados após permanecer quase sete anos sequestrados.

2009.

– 1 de fevereiro: A guerrilha liberta quatro reféns: os policiais Walter José Lozano Guarnizo, Juan Fernando Galícia Uribe e Alexis Torres Zapata, e o soldado William Giovanni Domínguez Castro.

– 3 de fevereiro: Ganha liberdade o ex-governador do departamento de Meta, Alan Jara.

– 5 de fevereiro: Libertam o ex-deputado regional Sigifredo López.

– 17 de março: As Farc libertam o engenheiro sueco Roland Larsson, último estrangeiro mantido em cativeiro.

2010.

– 28 de março: Libertam o soldado Josué Daniel Calvo.

– 30 de março: Libertam o sargento Pablo Emilio Moncayo, depois de mais de 12 anos sequestrado. Dois dias depois, os rebeldes entregam os restos mortais do policial Julián Ernesto Guevara, morto em cativeiro.

2011.

– 9-16 de fevereiro: Os guerrilheiros entregam seis reféns em uma missão humanitária coordenada pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e a ex-senadora Piedad Córdoba. Os libertados são os vereadores Marcos Baquero e Armando Acuña, o infante de marinha Henry López, os policiais Carlos Alberto Ocampo e Guillermo Solórzano, e o cabo do Exército Salín Antonio Sanmiguel.

tsb-doc/dm