Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cristãos da Nigéria temem que onda de ataques abra caminho para guerra civil

Por Por Ola Awoniyi 8 jan 2012, 11h52

As autoridades cristãs da Nigéria temem que os ataques islamitas contra igrejas e fiéis, considerados uma “limpeza religiosa” e que deixaram dezenas de mortos nas últimas semanas, desencadeiem uma guerra civil como a dos anos 1960.

Desde o Natal, seis ataques contra cristãos provocaram a morte de mais de 80 pessoas, a maioria reivindicados pela seita islamita Boko Haram, que quer impor a Sharia (lei islâmica) no país, o mais povoado da África com 160 milhões de habitantes.

“Este tipo de ato nos lembra o início da guerra civil que ocorreu na Nigéria”, disse neste sábado Ayo Oritsejafor, chefe da Associação Cristã da Nigéria (CAN), que agrupa católicos e protestantes, fazendo alusão à sangrenta guerra de recessão de Biafra que deixou um milhão de mortos entre 1967 e 1970.

Seguindo as medidas de segurança adotadas pelas autoridades há algumas semanas, os fiéis cristãos eram registrados e precisavam passar por um detector de metais antes de entrar nas igrejas neste domingo na capital federal, Abuja.

Em Lagos, a capital econômica do país, que até o momento não sofreu nenhum ataque contra cristãos, as autoridades davam conselhos aos fiéis para manter a prudência.

Em uma reunião de emergência convocada no sábado, as autoridades cristãs chegaram à conclusão de que “o esquema destas mortes nos faz pensar em uma limpeza étnica e religiosa”, acrescentou Oritsejafor.

“Temos o direito legítimo de nos defendermos (…) custe o que custar”, advertiu.

Continua após a publicidade

Desde quarta-feira, os confrontos se multiplicaram em vários Estados do nordeste do país deixando cerca de 30 mortos, depois que um ultimato dos islamitas que exigia a saída dos cristãos do norte da Nigéria, de maioria muçulmana, expirou.

Esta escalada mortífera traz o temor de uma guerra de religiões em um país cuja população é muçulmana e cristã em partes iguais.

No estado de Adamawa (nordeste), as autoridades impuseram no sábado um toque de recolher de 24 horas para enfrentar a violência.

Neste estado ocorreu o ataque mais sangrento dos últimos dias, que deixou 17 mortos – segundo testemunhas – em Mubi, durante uma reunião de cristãos que estavam de luto. A polícia estabeleceu um balanço de 12 falecidos.

Outro ataque perpetrado na sexta-feira à noite por homens armados em uma igreja de Yola, capital de Adamawa, provocou a morte de 10 fiéis, disse uma autoridade cristã.

Em uma igreja da cidade de Gomba, no estado vizinho com o mesmo nome, um ataque deixou seis mortos durante uma missa cristã.

E no sábado à noite três fiéis morreram quando dois homens motorizados dispararam contra um grupo de cristãos que jogava pôquer em um hotel abandonado perto de uma igreja em Biu, no estado de Borno (nordeste), onde foi ativado o estado de emergência no dia 31 de dezembro.

Os últimos ataques “são uma das consequências do fim de nosso ultimato”, que pedia aos cristãos que saíssem das regiões onde são minoria, declarou na sexta-feira à imprensa Abul Qaqa, porta-voz de Boko Haram.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)