Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Crise de reféns na Argélia não acabou, diz Grã-Bretanha

Ação de tropas da Argélia para libertar reféns de terroristas terminou, segundo agência. Número de mortos é incerto e há dezenas de civis desaparecidos

Por Da Redação 18 jan 2013, 06h04

O sequestro de empregados de um campo de exploração de gás no deserto da Argélia organizado por militantes islâmicos há dois dias ainda não terminou, afirmou nesta sexta-feira o Ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha. A declaração ocorre após o Exército argelino conduzir uma operação para libertar os reféns, muitos deles estrangeiros – a operação foi encerrada, segundo a agência estatal de notícias da Argélia (APS), mas a falta de detalhes sobre o resultado da ação alimenta a especulação internacional de que a tentativa de libertar os sequestrados tenha sido um desastre.

Ministério das Relações Exteriores britânico disse que o “incidente terrorista” na central de gás em In Amenas, perto da fronteira com a Líbia, ainda está “em curso”. “Os terroristas estavam fortemente armados e bem coordenados”, afirmou o premiê David Cameron, segundo a rede CNN. “É uma situação fluida, mas devemos estar preparados para a possibilidade de más notícias”, acrescentou. A agência estatal argelina veiculou que quatro reféns e vários extremistas foram mortos quando soldados apoiados por helicópteros tentaram pôr fim ao sequestro na tarde desta quinta-feira.

Mas os relatos sobre as baixas civis são contraditórios. A agência Reuters,citando uma fonte não identificada da segurança argelina, afirmou que 30 reféns morreram, dos quais sete estrangeiros. A agência também afirmou que 11 terroristas morreram. Os militantes alegavam estar mantendo como reféns 41 estrangeiros, entre eles noruegueses, americanos, franceses, britânicos e japoneses. Pelo menos quatro foram libertados, de acordo com a rede BBC, mas o destino de dezenas de outros é desconhecido.

Desaparecidos – Fontes do governo britânico disseram que não conseguiram localizar cerca de 20 cidadãos do país. O Japão, por sua vez, afirma que pelo menos 14 japoneses ainda estão desaparecidos – ao menos três conseguiram escapar. O ministério japonês das Relações Exteriores convocou nesta sexta-feira o embaixador argelino em Tóquio, Sid Ali Ketrandjé, para dar esclarecimentos sobre a operação no campo de exploração de gás, anunciou um funcionário da diplomacia japonesa.

Na madrugada desta sexta-feira, a petrolífera norueguesa Statoil, que controla a central de gás junto com British Petroleum (BP), e a argelina Sonatrach, anunciou o resgate de um de seus empregados. Agora, nove dos 17 trabalhadores da empresa estão a salvo, após o ataque de um grupo de fundamentalistas islâmicos.

“A situação dos oito empregados restantes é incerta”, assinalou a Statoil em comunicado, no qual destaca que o trabalhador resgatado durante a noite “está recebendo tratamento médico no hospital de InAmenas”. Na nota, a empresa informa que “outros três colegas argelinos que foram postos a salvo na noite passada foram transferidos à capital, Argel”.

Continua após a publicidade

O comunicado aponta ainda que um primeiro avião procedente da Argélia aterrissou ontem à noite em Londres com 22 empregados da Statoil. Outras duas aeronaves com 18 funcionários da companhia pousaram também à noite no aeroporto espanhol de Palma de Mallorca. Um quarto avião voará hoje à Argélia para repatriar mais empregados da Statoil e de outras companhias que se encontram no país norte-africano.

O primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg, admitiu que a situação na fábrica de exploração de gás é “muito confusa” e disse desconhecer quantos noruegueses estavam vivos. “Não temos nenhuma informação confirmada sobre o que ocorreu com os noruegueses”, disse em entrevista coletiva, antes de ressaltar que há “muitas e contraditórias informações”.

O caso – A crise teve início nesta quarta, quando militantes islâmicos fizeram reféns no campo operado por uma joint venture que inclui British Petroleum (BP), a Statoil, da Noruega, e a Sonatrach, estatal argelina. O grupo terrorista afirmou que o ataque é uma retaliação à intervenção militar francesa no Mali.

O presidente francês, François Hollande, considerou que a situação na Argélia justifica ainda mais a decisão de seu governo de intervir militarmente no território malinês. Hollande acrescentou que não tem “elementos suficientes para avaliar” o que ocorre no campo de gás, mesmo recebendo regularmente informações a respeito. Segundo ele, a situação “parece estar se desenvolvendo em condições dramáticas”.

A milícia islâmica responsável pelo ataque é o Batalhão de Sangue, que nasceu há pouco tempo a partir da Al Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI). Segundo o governo argelino, todos os terroristas são subordinados a um ex-comandante da Al Qaeda no Magreb Islâmico, Mokhtar Belmokthar, que teria fundado a nova milícia no fim do ano passado após ter se desentendido com outros líderes extremistas.

(Com agências Reuters e France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês