Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Crimes sexuais levam vice-presidente da Oxfam a pedir demissão

Altos funcionários da ONG são acusados de aliciar prostitutas e crianças vulneráveis no Chade e no Haiti para sexo; diretoria da Oxfam acobertou os casos

Por Da redação
Atualizado em 13 fev 2018, 00h20 - Publicado em 12 fev 2018, 23h51

Penny Lawrence, vice-presidente executiva da Oxfam –uma das maiores ONGs de caridade do planeta— pediu demissão hoje de seu cargo, cerca de uma semana após o jornal britânico The Times denunciar um amplo esquema de prostituição e crimes sexuais, inclusive contra crianças, por pessoal de alto-nível da entidade no Chade (uma das nações mais pobres da África) e, principalmente no Haiti, após o terremoto devastador de 2010, que deixou cerca de 300.000 mortos no país caribenho.

 

 

Fundada em 1942 e sediada na cidade inglesa de Oxford, a Oxfam nasceu com o objetivo de convencer o governo britânico a permitir auxílio em forma de comida a passar pelo bloqueio dos Aliados na 2a Guerra Mundial e alimentar o povo faminto da Grécia-ocupada. Então chamada de Oxford Committee for Famine Relief (Comitê de Oxford pelo Alívio da Fome), a entidade ampliou sua atuação com o objetivo de aliviar a pobreza e a fome em locais de crise e pobreza, tornando-se uma confederação de 19 organizações internacionais independentes, com alcance mundial e operando sob o guarda-chuva da Oxfam Internacional.

Continua após a publicidade

Segundo a investigação do jornal,Roland van Hauwermeiren, diretor da Oxfam para o Haiti durante a crise causada pelo terremoto de 2010, teria convertido uma grande casa alugada para os trabalhos de auxílio no país em um quase-bordel, onde prostitutas e crianças circulavam vestindo apenas camisetas da organização e eram pagas ou subornadas para fazer sexo com van Hauwermeiren e outros membros de sua equipe. Mesmo funcionários que não participaram das orgias muitas vezes eram coniventes com o que se passava.

Van Hauwermeiren já possuía um histórico de envolvimento em escândalos sexuais enquanto trabalhou para a Oxfam no Chade. Prostitutas vulneráveis que deveriam receber auxílio da entidade e de seus funcionários eram levadas às casas da Oxfam para festas e para fazerem sexo com membros da organização. Apesar de tudo isso ser sabido, van Hauwermeiren foi enviado em posição de chefia ao Haiti.

Pior: aparentemente o alto-escalão da organização, na Inglaterra, não apenas sabia dos casos, mas acobertou muitos de seus funcionários para não perder o financiamento público de suas atividades.

“É claro agora que essas alegações –incluindo aquelas relacionadas ao aliciamento de prostitutas e ao comportamento do Diretor de País e de membros de sua equipe no Chade– já haviam sido levantadas antes de que ele fosse transferido para o Haiti”, disse Penny referindo-se a van Hauwermeiren durante comunicado sobre sua demissão.

Continua após a publicidade

“Como diretora do programa à época, estou profundamente envergonhada que isso tenha ocorrido sob meu comando e assumo completa responsabilidade.”

O Governo britânico já anunciou que, além de estar estudando a possibilidade de processar a Oxfam no Reino Unido por ofensas sexuais, a organização pode perder até a totalidade de suas subvenções públicas. O Governo do Haiti também estuda agora tomar medidas legais.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.