Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Crimeia pode vender empresa de energia para a Rússia

Em Londres, o secretário de Estado dos EUA e o chanceler russo fazem última reunião antes do referendo sobre a anexação da Crimeia pela Rússia

Por Da Redação 14 mar 2014, 08h46

A Crimeia pode vender a empresa de energia ucraniana Chernomornaftohaz para uma companhia russa assim que as autoridades regionais assumirem o controle do negócio, disse uma autoridade da Crimeia nesta sexta-feira, segundo a agência de notícias Interfax. “Após a nacionalização da companhia, nós iremos tomar a decisão abertamente – se um grande investidor, como a Gazprom ou outro aparecer – de realizar a privatização”, disse Rustam Temirgaliev, primeiro vice-premiê da Crimeia.

Temirgaliev já havia dito esta semana que a Crimeia quer assumir o controle de empresas estatais ucranianas em seu território, incluindo os campos de gás no Mar Negro, reafirmando a independência da região antes de um referendo sobre a adesão à Rússia, marcado para este domingo. O referendo é duramente criticado pela União Europeia (UE) e Estados Unidos, que o consideram ilegal.

Leia também

Conflitos entre grupos pró-Moscou e pró-Kiev deixam um morto em Donetsk

Kiev afirma que vai reagir se Rússia invadir território ucraniano

Obama recebe premiê ucraniano e urge Rússia a não violar direito internacional

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, está reunido em Londres com o chanceler russo Sergei Lavrov para tentar uma solução pacífica para a Crimeia. Segundo a rede BBC, Kerry manifestou para Lavrov que o referendo e a intervenção militar russa na Crimeia poderiam desencadear sanções dos Estados Unidos e da UE. Ele alertou sobre “medidas muito sérias” se a Rússia anexar a região. A Rússia insiste que “não quer uma guerra” com a Ucrânia.

Continua após a publicidade

Em Moscou, também nesta sexta, a Rússia voltou a sinalizar a possibilidade de um conflito armado na região da Crimeia, onde já mantém tropas. Comunicado do Ministério das Relações Exteriores afirmou que a Rússia se reserva o direito de proteger seus cidadãos na Ucrânia. “As autoridades de Kiev não controlam a situação no país. A Rússia tem consciência de sua responsabilidade sobre a vida de seus concidadãos e compatriotas na Ucrânia e se reserva o direito de protegê-los”, diz o texto.

Leia mais:

Otan envia aviões para monitorar situação na Ucrânia

Crimeia: população de Sebastopol prefere Rússia à UE

Prosseguindo com a movimentação de tropas militares, um navio russo descarregou batalhões, caminhões e ao menos um veículo blindado em uma baía perto de Sebastopol, principal porto da Crimeia. Um jornalista da agência Reuters testemunhou caminhões saindo do navio Yamal 156 na baía de Kazachaya. Em uma estrada na mesma área, a imprensa já havia visto uma caravana de ao menos 100 veículos militares russos, incluindo caminhões e blindados para transporte de tropas e artilharia móvel. O local pertence à Ucrânia e fica a cerca de 15 quilômetros do porto de Sebastopol, que Moscou arrenda da Ucrânia para sediar sua frota do Mar Negro.

Autoridades da Crimeia favoráveis à Rússia negam a presença de tropas russas na península fora da base de Sebastopol, apesar de os homens mascarados que cercam as instalações militares ucranianas dirigirem veículos com placas russas e de se identificaram aos soldados ucranianos como tropas russas.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade