Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Covid: Cepa sul-africana não é mais perigosa que a britânica, diz ministro

Zweli Mkhize, chefe da Saúde na África do Sul, afirmou que não há evidências de que a variante seja mais contagiosa ou provoque forma mais grave da doença

Por AFP 25 dez 2020, 13h50

O ministro da Saúde da África do Sul, Zweli Mkhize, defendeu, em resposta a seu colega britânico, que não há provas de que a nova cepa do coronavírus identificada na África do Sul é mais perigosa ou contagiosa que a variante registrada no Reino Unido.

“Atualmente, não há provas de que a 501.V2 seja mais contagiosa que a variante do Reino Unido, como sugeriu o ministro britânico da Saúde”, afirmou Zwelini Mkhize em comunicado. “Também não há evidências de que esta provoque uma forma mais grave da doença ou aumente a mortalidade, em comparação com a variante do Reino Unido ou quaisquer das mutações identificadas em todo o mundo.”

Na quarta-feira, o ministro britânico da Saúde, Matt Hancock, disse que uma nova forma do vírus detectada na África do Sul era “altamente preocupante, porque é mais contagiosa e parece ter sofrido mais mutação que a identificada no Reino Unido”, e anunciou a proibição de viagens entre os dois países.

  • O ministro sul-africano lamentou a restrição e afirmou que as declarações de Hancock “podem ter criado a percepção de que a variante sul-africana foi um fator importante no aumento de casos de Covid-19 no Reino Unido, o que não é o caso”. De acordo com ele, os elementos da pesquisa demonstram que a mutação britânica se desenvolveu antes da sul-africana.

    A África do Sul, país mais afetado do continente, com 26.000 mortos, registrou mais de de 14.000 casos nos últimos dois dias, contra a média de entre 8.000 e 10.000 no início da semana.

    Continua após a publicidade
    Publicidade