Clique e assine a partir de 9,90/mês

Covid-19: União Europeia acredita que haverá uma segunda onda de surtos

'A questão é quando [ocorrerá] e qual [será] o tamanho', disse a Dra. Andrea Ammon, diretora do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças

Por Da Redação - Atualizado em 20 May 2020, 16h09 - Publicado em 20 May 2020, 15h41

A diretora do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), Dra. Andrea Ammon, disse ao jornal britânico The Guardian em reportagem publicada nesta quarta-feira, 20, que haverá uma segunda onda de surtos da Covid-19 na Europa. O continente responde por 40% dos 4,7 milhões de casos e por mais de 50% das 316.000 mortes reportadas à Organização Mundial da Saúde (OMS) até a terça-feira, 19.

“A questão é quando [ocorrerá] e qual [será] o tamanho”, disse Ammon em referência à “segunda onda” dos surtos da Covid-19 na Europa.

“Observando as características do vírus e da imunidade populacional emergente em diferentes países — entre 2% e 14%, o que deixa ainda 85% a 90% da população suscetível [à Covid-19] —, o novo coronavírus está ao nosso redor e circulando muito mais do que em janeiro e fevereiro”, acrescentou.

Entre 21 de janeiro, quando a França reportou à OMS os primeiros três casos da Covid-19 na Europa, e 29 de fevereiro, cerca de 1.110 europeus em 23 países diferentes contraíram a Covid-19. Dentre eles, 21 morreram na Itália, então epicentro dos surtos no continente, e outros dois na França.

Continua após a publicidade

A OMS contabilizou até a terça-feira 19 mais de 1,9 milhão de casos da Covid-19 e quase 170.000 mortes causadas pela doença dentre os países europeus. Assim, o continente é responsável por 40% dos 4,7 milhões de casos e por mais de 50% das 316.000 mortes reportadas à OMS em todo o mundo.

A Rússia, que até o final de fevereiro havia reportado à entidade apenas dois enfermos, é o atual epicentro da Covid-19 na Europa em número de casos, com quase 300.000 oficializados. Em questão de mortes, os russos contabilizaram menos de 3.000.

Epicentro das mortes pela doença no continente, o Reino Unido reportou quase 35.000 mortes à OMS, sendo que todas ocorreram entre os meses de março e maio. O Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), nos Estados Unidos, projetou no início de abril cerca de 66.000 mortes pela Covid-19 no Reino Unido até agosto.

“E, especialmente agora, quando está claro que as infecções estão diminuindo, as pessoas pensam que acabou. O que não é [verdade], definitivamente não é”, alertou Ammon.

Continua após a publicidade

O número de novos casos da Covid-19 por dia na Europa está em queda desde sexta-feira 15, quando foram reportados cerca de 24.600 enfermos. Esse índice caiu em cerca de 20%, para pouco menos de 20.000 casos reportados na terça-feira.

Desde meados de abril, com os casos da Áustria e da Dinamarca, governos nacionais na Europa, como o comandado por Vladimir Putin, na Rússia, começaram o processo de encerramento das medidas de isolamento social, que são recomendadas pela OMS no combate à pandemia.

Publicidade