Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Ressurgimento de casos de Covid-19 faz países reverem planos de abertura

Novas medidas de restrição voltaram a ser adotadas regionalmente para impedir novos surtos da doença

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 14 jul 2020, 14h01 - Publicado em 14 jul 2020, 11h03

Os números da pandemia de coronavírus talvez não permitam afirmar que o mundo vive uma segunda onda de infecções. Mesmo com a curva global ainda em movimento acendente, muitos países observaram quedas de contágio e de mortes. A Covid-19, porém, é responsável por uma outra segunda onda: diversos governos estão voltando atrás na retomada de atividades não essenciais. Ao redor do Globo, muitas cidades seguraram o processo de abertura e readotaram medidas restritivas depois que os novos casos da doença foram registrados.

Veja alguns exemplos:

África:

A cidade de Tânger, no norte de Marrocos, voltou a ser bloqueada na segunda-feira, 13.  Madagascar colocou a região de Analamanga – onde fica a capital Antananarivo – sob rigorosas medidas na semana passada. Já a África do Sul, trouxe de volta um toque de recolher noturno. 

América Latina:

Bogotá, capital da Colômbia, epicentro do surto do país, adotou lockdown de duas semanas na segunda-feira

Oceania:

Na Austrália, a segunda maior cidade do país, Melbourne, ordenou que seus cinco milhões de habitantes ficassem em casa por seis semanas. O estado de Victoria, onde a cidade está localizada, também fechou suas fronteiras com Nova Gales do Sul e Austrália do Sul

Continua após a publicidade

Oriente Médio:

Israel e a Cisjordânia reintroduziram restrições em resposta ao aumento de casos, tais como fechamento de fronteiras entre os territórios. A capital iraniana, Teerã, recuperou restrições semelhantes por sete dias.

Ásia:

Manila, capital das Filipinas deve entrar em confinamento por duas semanas nos próximos dias. O Uzbequistão está em um segundo bloqueio desde 10 de julho, com medidas que se estendem até 1º de agosto. A cidade de Bangalore, no sul da Índia, ficou sob quarentena de uma semana. Em Hong Kong, foram introduzidas regras de distanciamento social. A Disneylândia do território foi fechada, um mês após a reabertura.

América do Norte:

Os Estados Unidos, país mais afetado pela pandemia, não adotou uma política única. Há bastante controvérsia quanto às medidas a serem adotadas e cada estado, ou até mesmo condado, tem autonomia para agir. A Califórnia, estado mais populoso do país, impôs novas restrições após um pico de infecções. Todos os restaurantes, bares, locais de entretenimento, zoológicos e museus foram fechados. Nos municípios mais afetados do sudoeste dos EUA, igrejas, academias e cabeleireiros também baixarão as portas. A reimposição das restrições a quase 40 milhões de pessoas foi motivada por um aumento de 20% no número de pessoas infectadas.

A Flórida, novo epicentro de coronavírus do país, que chegou a registrar 15.000 casos em apenas um dia, alguns condados voltaram a determinar torque de recolher após dez da noite e a ordenar o fechamento de restaurantes e casas noturnas.

As medidas em todos esses locais ocorrem depois de a Organização Mundial da Saúde alertar que “muitos países estavam indo na direção errada”, ao permitirem a retomada de atividades não essenciais. Os casos de Covid-19 voltaram a crescer depois que o isolamento social foi suspenso.

Estados americanos do chamado “cinturão do sol”, localizados no sul do país, por exemplo, observaram aumento de infecções em locais fechados, como restaurantes e bares e boates. A maior parte dos doentes é jovem e costuma frequentar esses estabelecimentos. Arizona, Texas, Flórida e Oklahoma são alguns dos estados mais afetados. 

Nova York, estado que registrou mais casos da doença até o momento, viu o número de casos e de mortes regredir significativamente nas últimas semanas, mas teme a reintrodução do vírus por viajantes vindos dos cinturão do sol. O governador Andrew M. Cuomo, na segunda-feira, impôs mais restrições a viajantes dessas regiões, tais como informar local de hospedagem e cumprir uma quarentena de duas semanas. Mas não está claro se essas medidas serão seguidas. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.