Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Cortes de internet esfriam protestos em Cuba

Manifestantes estão impedidos de convocar novos protestos pelas redes sociais, que não podem ser acessadas desde o último domingo

Por Da Redação Atualizado em 14 jul 2021, 17h18 - Publicado em 14 jul 2021, 17h15

Três dias depois dos protestos abalarem várias cidades de Cuba, o apagão de informações continua devido ao corte de internet. A disseminação de informações nas redes sociais foi fundamental para a convocação das manifestações. 

Nesta quarta-feira, 14, ainda era impossível acessar as redes sociais pelo celular, o que gerou confusão sobre as notícias de possíveis incidentes em algumas cidades e nas ruas de Havana, onde a presença policial ainda é intensa.

+ Cinco pontos para entender os protestos recentes em Cuba

Apesar da conexão à internet móvel no país continuar cortada, uma minoria já recuperou o serviço de dados e alguns jovens têm utilizado plataformas de redes privadas virtuais (VPN) para ficar online.

O corte da internet interrompeu a rotina de parte dos trabalhadores do país, já que o trabalho remoto foi adotado por muitos setores.

A avalanche de informações do exterior, misturada ao silêncio oficial e notícias falsas dificultou a avaliação da realidade. 

O chanceler cubano Bruno Rodríguez garantiu na terça-feira que o país está calmo e levando uma vida normal, confiou que os incidentes não se repetirão e acusou diretamente Washington de estar por trás do que aconteceu na ilha no domingo.

Segundo a versão oficial, a polícia e os defensores do governo enfrentaram um grupo de manifestantes que na tentativa de evadir-se da ação, vandalizaram casas, atearam fogo a contêineres e afetaram as linhas de transmissão.

Continua após a publicidade

O próprio comunicado oficial, que não descreve as causas do protesto, mostra uma realidade absolutamente inédita em Cuba.

As manifestações do domingo tiveram início em San Antonio de los Baños, onde um grupo de pessoas tomou as ruas para exigir liberdade e criticar o governo pela escassez de comida, medicamentos e contínuos apagões sofridos pelo município.

O protesto estava sendo transmitido ao vivo no Facebook até a internet do país ser cortada, o que possivelmente motivou atos semelhantes em outras localidades ao longo de toda a extensão da ilha.

Diversas organizações anticastristas e também ONGs de defesa dos direitos humanos habitualmente críticas ao governo têm divulgado imagens e vídeos de prisões, confrontos e episódios de violência policial excessiva, mas a maioria não foi corroborada pela imprensa estrangeira. 

O chanceler Rodríguez assegurou em entrevista coletiva que os Estados Unidos manipulam dados e usam seu monopólio de ferramentas de alta tecnologia para difamar o Governo cubano, fomentar a agitação e abalar o regime.

Sobre o apagão da internet, Rodríguez negou que fosse uma política oficial. “Hoje em dia tem faltado energia elétrica, o que afeta também o funcionamento de redes, nós, servidores e telecomunicações”, disse. 

“Em um país onde temos uma situação de carência aguda de medicamentos, é verdade que faltam dados, mas faltam medicamentos”, completou Rodríguez.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)