Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Corroído por escândalos, Boris Johnson perde terreno em eleições locais

Perda de redutos eleitorais historicamente conservadores mostra referendo negativo em relação ao governo do premiê do Reino Unido

Por Amanda Péchy 6 Maio 2022, 17h00

O Partido Conservador do Reino Unido, legenda de Boris Johnson, perdeu nesta-sexta-feira, 6, o controle de redutos tradicionais em Londres, além de sofrer reveses em outras regiões do país nas eleições locais. Uma série de escândalos envolvendo o premiê e festas regadas a álcool no período mais duro do lockdown na pandemia não parece ter passado desapercebida pelos eleitores britânicos.

Em uma espécie de referendo ao governo de Boris Johnson, seu partido foi derrubado em Wandsworth, reduto conservador há mais de quatro décadas. Além disso, pela primeira vez, o Partido Trabalhista, da oposição, conquistou o conselho de Westminster, distrito onde está localizada a maioria das instituições governamentais.

Os conservadores também perderam o controle do bairro de Barnet, onde ganharam quase todas as eleições desde 1964. No total, dez conselhos do Partido Conservador já passaram de mãos para o Partido Trabalhista.

“Este é um grande ponto de virada. Das profundezas das eleições gerais de 2019, estamos de volta à pista”, disse o líder trabalhista Keir Starmer.

Johnson admitiu que foi uma “noite difícil” em algumas partes do país e que seu governo ouviu as demandas das pessoas por mais ajuda com o custo de vida.

Segundo os resultados até agora, os conservadores estão perdendo mais de 280 vereadores na Inglaterra, com os trabalhistas subindo quase 60 e os liberais democratas, mais de 150.

Continua após a publicidade

“A grande lição que tiro disso é que esta é uma mensagem dos eleitores sobre o que eles querem que nos concentremos… A repercussão econômica do da Covid-19”, afirmou o premiê. Ele acrescentou que assume a responsabilidade pessoal pelos resultados.

Johnson, que conquistou mais votos em 2019 que qualquer conservador em mais de 30 anos, tornou-se o primeiro líder britânico na história a violar a lei durante o mandato. Em abril, ele foi multado por fazer uma festa de aniversário em 2020 na casa ministerial, violando as restrições contra o coronavírus então em vigor.

A polícia disse nesta sexta-feira que continua as investigações, depois de receber novas informações sobre um evento do qual ele participou em 2021. A perda de redutos eleitorais deve aumentar ainda mais a pressão sobre Johnson, que agora enfrenta a possibilidade de mais multas.

+ Boris Johnson enfrenta pressão por renúncia após multa por violar lei

Segundo análise da emissora britânica BBC, os trabalhistas devem receber 35% dos votos, enquanto os conservadores vão garantir apenas 30%. Seria a maior vantagem do Partido Trabalhista nas eleições locais em uma década. Os liberais democratas devem ficar 19% dos votos e outros partidos, com 16%.

Todos os resultados na Inglaterra, Escócia e País de Gales devem ser divulgados até o fim desta sexta-feira. Os da Irlanda do Norte estão previstos para sábado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)