Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Correspondente americano do The Miami Herald é preso na Venezuela

Jim Wyss viajou a San Cristóbal para cobrir a crise econômica e as eleições municipais; governo não explica as causas da detenção

Por Da Redação 9 nov 2013, 11h47

O correspondente para a região andina do jornal The Miami Herald, Jim Wyss, foi detido na quinta-feira, na Venezuela por soldados da Guarda Nacional na cidade de San Cristóbal, na fronteira com a Colômbia, quando realizava uma reportagem sobre a escassez de produtos e as eleições municipais que ocorrerão em 8 de dezembro. Ele está preso há duas noites. O Ministério do Poder Popular para a Comunicação e a Informação da Venezuela não esclareceu as causas da detenção.

A cidade onde Wyss foi detido abriga um movimentado mercado negro, em que venezuelanos buscam escapar dos rígidos controles cambiais do governo. O Herald, principal jornal do sul da Flórida, afirmou em uma reportagem publicada em seu site que os jornalistas venezuelanos viram Wyss ser preso, mas não puderam se aproximar.

Os editores mantiveram diversas conversas com funcionários do governo venezuelano para conseguir a liberação do correspondente, mas ainda não tiveram sucesso. “Estamos muito preocupados”, disse a editora-executiva do jornal, Aminda Marques, em um comunicado. “Não parece haver nenhuma razão para sua prisão e estamos tentando descobrir o que ocorreu”, afirmou.

Leia também:

América Latina registra pior semestre em liberdade de imprensa

Continua após a publicidade

Maduro decreta data de eleição como ‘Dia de Lealdade a Chávez’

Por reciprocidade, EUA expulsam três diplomatas venezuelanos

Maduro anuncia expulsão de três diplomatas americanos

De acordo com declarações de alguns jornalistas na cidade de San Cristóbal, Wyss foi visto sob custódia da polícia na tarde de sexta. Segundo a jornalista do jornal venezuelano El Universal, Lorena Arráiz, que conseguiu ver o repórter quando ele foi detido, ele “parecia bem”, embora não tenham deixado que outros jornalistas se aproximassem para fazer perguntas.

Organizações de defesa da liberdade de imprensa denunciaram a detenção e disseram que a prisão de jornalistas tornou-se uma prática recorrente do chavismo. “É uma medida completamente arbitrária, que vai contra a nossa Constituição”, disse um membro do Instituto Prensa y Sociedad, que pediu anonimato por medo de represálias.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)