Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Correa toma posse e descarta tentar nova reeleição

Presidente do Equador inicia novo mandato com popularidade em alta e maioria no Parlamento. E promete radicalizar seu projeto de esquerda

O presidente do Equador, Rafael Correa, no poder desde 2007, tomou posse nesta sexta-feira para um novo mandato de quatro anos e descartou a possibilidade de buscar uma nova reeleição.

Eleito pela primeira vez em 2007, Correa foi confirmado como presidente em 2009 em eleições antecipadas após a promulgação de uma nova Constituição. Desta forma, Correa dá início agora a seu terceiro mandato, que vai até 2017. Neste período, ele promete radicalizar seu projeto de esquerda, que chama de “revolução cidadã”.

O economista de 49 anos, que estudou nos Estados Unidos e na Bélgica, recebeu a faixa presidencial da líder do Congresso, Gabriela Rivadeneira, depois de prestar juramento na presença dos governantes de Bolívia, Colômbia, Chile, Costa Rica, Haiti, República Dominicana e Geórgia, e de vários vice-presidentes, como os da Argentina e de Cuba.

Leia também:

Leia também: Reeleito no Equador, Correa contou com sorte e retórica

Correa, que em 17 de fevereiro venceu a disputa eleitoral no primeiro turno, assumiu o cargo com um índice de aprovação recorde, entre 80% e 86%, segundo recentes pesquisas. O populista de esquerda governará pela primeira vez com uma maioria absoluta no Parlamento, após o oficialismo obter 100 dos 137 colégios eleitorais nas eleições de 17 de fevereiro.

O presidente descartou a possibilidade de tentar uma reeleição em 2017, mesmo se o seu partido não tiver um candidato forte. A maioria no Parlamento deve permitir ao seu governo levar adiante uma série de controversas reformas: agrária, penal e previdenciária, além de uma lei das comunicações rejeitada pelos grandes veículos, com os quais trava um forte embate.

“Esperamos que o apoio eleitoral seja assumido com responsabilidade e que tenhamos quatro anos em que, para além da conjuntura, haja uma liderança para conduzir temas importantes”, manifestou César Monge, presidente do opositor movimento Creo, a segunda força política do país.

Saiba mais:

Saiba mais: Ex-presidente do Equador diz que atual governo é ditatorial

Após o ato protocolar, Correa vai liderar uma “posse popular” nas instalações do antigo aeroporto de Quito, hoje transformado em parque. No local haverá a apresentação de vários artistas e grupos musicais, segundo o secretário do movimento governista Alianza País, Galo Mora.

Também prestou juramento nesta sexta-feira o vice-presidente Jorge Glas, ex-ministro de Setores Estratégicos que substituiu Lenín Moreno, o nome mais popular do governo Correa.

(Com agência France-Presse)