Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: com traje de proteção, Putin visita hospital na Rússia

Governo russo admitiu pela primeira vez que baixo número de casos no país deve-se a subnotificação de casos por falta de testes

Por Da Redação - Atualizado em 25 mar 2020, 11h48 - Publicado em 25 mar 2020, 11h14

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, visitou na terça-feira 24 um centro médico em Moscou que está cuidado de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com um traje químico e respirador especial, o líder russo inspecionou o trabalho realizado pela equipe de saúde no hospital localizado no assentamento de Kommunarka, a sudoeste do centro da capital.

A Rússia registrou oficialmente 658 casos de Covid-19 até o momento e nenhuma morte. O governo, contudo, é acusado pela oposição de maquiar os dados.

O jornal The New York Times aponta que a primeira morte foi registrada na quinta-feira 19, entretanto o governo russo alega que a morte foi causada por trombose, e não pela Covid-19.

Após semanas sob escrutínio internacional, o país admitiu nesta terça-feira 24 que o baixo número de contaminações isso se deve à subnotificação por falta de exames. O anúncio foi feito a Putin pelo prefeito de Moscou, Serguei Sobyanin, coordenador nacional dos esforços contra a pandemia. “O número real de doentes é significativamente mais alto. Ninguém sabe”, afirmou, segundo a agência de notícias Tass.

ASSINE VEJA

A guerra ao coronavírus A vida na quarentena, o impacto da economia, o trabalho dos heróis da medicina: saiba tudo sobre a ameaça no Brasil e no mundo
Clique e Assine

“Uma situação séria está se desenrolando”, afirmou ainda Sobyanin a Putin em uma reunião. Os testes para o vírus são escassos, disse ele, e muitos moscovitas que retornavam do exterior estavam se isolando em casa ou em casas de férias no campo, e não estavam sendo testados.

O Kremlin está construindo um hospital dedicado unicamente para o tratamento das vítimas com coronavírus, mas a unidade visitada por Putin ainda é um dos centros médicos já existentes que tem se dedicado a receber os pacientes do país.

Nesta semana, Moscou iniciou o processo de quarentena pela população com mais de 65 anos. Putin, com 67, eximiu-se das restrições porque seu trabalho é considerado essencial pela lei.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade