Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Coronavírus: Colômbia desloca militares para a fronteira com o Brasil

Bogotá informa que a medida tem o objetivo de evitar a importação de casos da doença; Brasil é epicentro da Covid-19 na América do Sul

Por Da Redação Atualizado em 13 Maio 2020, 17h54 - Publicado em 13 Maio 2020, 16h49

O presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou nesta terça-feira, 13, que deslocará militares para a cidade amazônica de Leticia, na tríplice fronteira do país com o Brasil e o Peru, para evitar que casos de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, sejam importados ao território colombiano.

“A decisão foi tomada para militarizar todos os pontos de fronteira com mais presença e exercer o respectivo controle para evitar a chegada de casos importados”, declarou Duque durante seu programa diário de televisão.

Colômbia e Brasil dividem uma fronteira de 1.644 quilômetros na região amazônica. Leticia é a única passagem de fronteira para o território brasileiro, e está ligada a Tabatinga, do lado brasileiro da floresta, e também à cidade peruana de Santa Rosa de Yavarí.

Somente no departamento do Amazonas, onde se locializa Leticia, foram diagnosticadas 743 pessoas com o vírus e registradas 26 mortes. No restante da Colômbia, são 12.272 doentes e 493 mortos. Nesta quarta também foram confirmados os dois primeiros casos em Vaupés, um departamento que também faz fronteira com o Brasil, embora não tenha passagem oficial devido à floresta densa.

Continua após a publicidade

Para tentar deter o avanço do vírus nesse departamento, ao qual se chega apenas de avião a partir de Bogotá, o ministro da Saúde, Fernando Ruiz, anunciou que 55.000 máscaras serão entregues e o equivalente a cerca de 20 milhões de reais serão destinados ao único hospital da região.

O Brasil é o país com o segundo maior número de casos e mortes de Covid-19 no continente americano, depois dos Estados Unidos, com mais de 1,3 milhão de doentes e cerca de 80.000 mortos. Na América do Sul, tornou-se epicentro da pandemia. Nesta semana, o presidentes da Argentina, Alberto Fernández, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, declararam ser a crise da Covid-19 no país uma ameaça a toda a América do Sul, em crítica à condução da pandemia pelo governo de Jair Bolsonaro.

Países sul-americanos que decretaram a quarentena cedo observaram um aumento cada vez mais lento da doença em seus territórios. A Argentina registrou o primeiro caso de contaminação no início de março e, no dia 20 daquele mês, decretou o confinamento total do país. No Brasil, o primeiro diagnóstico no Brasil fora no dia 25 de fevereiro e, até o momento, não há política de quarentena para todo o país. Nesta quarta, a Argentina contabiliza 6.563 casos e o Brasil, 180.737, segundo levantamento em tempo real feito pela Johns Hopkins Universitty.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)