Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: 1.716 profissionais da saúde foram infectados na China

Autoridades chinesas e hospitais têm repetidamente falado da falta de equipamentos de proteção no país, incluindo máscaras

Por Da Redação - Atualizado em 14 fev 2020, 10h22 - Publicado em 14 fev 2020, 09h51

Mais de 1.700 profissionais da área da saúde foram infectados pelo novo coronavírus na China, afirmou nesta sexta-feira, 14, o vice-ministro da Comissão de Saúde, Zeng Yixim. Ao todo, seis deles morreram.

O impacto crescente do COVID-19 sobre os trabalhadores chineses na linha de frente para conter a epidemia vem elevando a preocupação com a falta de equipamentos de proteção eficazes no país, incluindo máscaras. De acordo com Zeng, até agora 1.716 profissionais da área da saúde foram contaminados.

“As obrigações dos trabalhadores médicos na linha de frente são, de fato, muito pesadas; as condições de serviço e de descanso são limitadas, as pressões psicológicas são gigantescas, e o risco de infecção é alto”, disse o vice-ministro em entrevista coletiva.

A Comissão Nacional de Saúde da China disse que registrou 121 novas mortes e 5.090 novos casos de coronavírus na parte continental do país na quinta-feira 13, levando o número total de infectados para 63.851.

Continua após a publicidade

Cerca de 55.748 pessoas estão recebendo tratamento, enquanto 1.380 morreram por causa do vírus que surgiu em dezembro em Wuhan, capital da província de Hubei, região central do país.

O aumento da preocupação com os profissionais da área da saúde acontece no momento em que o governo recebe uma série de críticas devido ao falecimento do médico Li Wenliang, oftalmologista de 34 anos responsável por alertar as autoridades sobre os primeiros casos suspeito de coronavírus, mas censurado pelo aparato de Estado.

Os novos dados de infecções totais não davam sinais de que o surto está se aproximando de um pico, disse Adam Kamradt-Scott, especialista em doenças infecciosas do Centro de Estudos em Segurança Internacional da Universidade de Sydney.

“Baseado na tendência atual de casos confirmados, isso parece ser uma clara indicação de que, embora as autoridades chinesas estejam fazendo seu melhor para evitar a disseminação do coronavírus, as medidas bastante drásticas que eles implementaram até agora parecem ter sido muito pouco, muito tarde”, disse.

Continua após a publicidade

Cientistas chineses estão testando dois medicamentos antivirais e resultados preliminares devem sair em semanas, ao passo que o chefe de um hospital em Wuhan relatou que a infusão de plasma de pacientes recuperados mostraram alguns resultados preliminares animadores.

Autoridades prometeram fazer mais para estimular as economias impactadas pelo vírus, o que ajudou as bolsas de valores da Ásia a registrarem ganhos, e as ações chineses obtiveram seu primeiro ganho semanal em quatro semanas.

(Com Reuters)

Publicidade