Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Coreias negociam condições para a reabertura de Kaesong

Seul pede garantias de que o complexo industrial não será fechado novamente

Por Da Redação 10 jul 2013, 05h35

Coreia do Sul e Coreia do Norte retomaram nesta quarta-feira as negociações para a reabertura do complexo industrial de Kaesong, o único projeto conjunto entre os países vizinhos. O parque industrial foi paralisado de forma unilateral por Pyongyang em abril, no auge da campanha de hostilidades da Coreia do Norte contra Seul e seus aliados.

Leia também:

Coreias iniciam conversas para reativar complexo industrial

Coreia do Norte propõe diálogo com os Estados Unidos

Negociação – Depois de terem firmado um acordo no último sábado para retomar as avididades do complexo, representantes dos dois países se reunem agora para negociar condições e acertar os detalhes para a reabertura. No encontro desta quarta, que acontece em Kaesong, localizada em território norte-coreano, mas perto da fronteira com a Coreia do Sul, a delegação de Seul pedirá ao Norte garantias que evitem um novo fechamento unilateral do parque. De acordo com especialistas, essa exigência é o maior obstáculo para uma definição rápida das conversas. “Faremos o possível para que esta reunião permita restabelecer a confiança mutua e uma melhor cooperação”, declarou à imprensa o chefe da delegação sul-coreana, Suh Ho.

Em contrapartida, especula-se que Pyongyang pedirá um aumento de salário para os trabalhadores, a ampliação do tamanho do complexo, a construção de mais dormitórios e mudanças nas normas fiscais.

À margem das comitivas de negociação, um grupo de empresários da Coreia do Sul também compareceu hoje a Kaesong para averiguar o estado das instalações.

Histórico – Fechado desde abril, quando Pyongyang retirou seus 53 mil trabalhadores do complexo, Kaesong é um dos principais temas pendentes a serem solucionados entre as Coreias. Este projeto industrial, em que empresas do Sul fabricavam produtos com mão de obra barata do Norte, era um símbolo do entendimento das duas Coreias na década passada e trazia benefícios para as companhias e para o governo do Norte.

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade