Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coreias divergem sobre data de reabertura de Kaesong

Encontro de doze horas entre representantes do Norte e do Sul fracassa em estabelecer quando o complexo industrial conjunto será finalmente reativado

Por Da Redação 3 set 2013, 02h40

As Coreias do Norte e do Sul precisaram de sete reuniões e muito diálogo para concordar, no mês passado, em reabrir o complexo industrial conjunto de Kaesong. Agora, autoridades dos dois países iniciam um novo capítulo de negociações, dessa vez para estabelecer qual será a data de reativação do parque industrial. E o primeiro contato parece indicar outra longa série de debates.

Leia também:

Comissão da ONU ouve ex-prisioneiros da Coreia do Norte

Ex do ditador da Coreia do Norte foi fuzilada, segundo jornal

Em um encontro de doze horas em Kaesong nesta segunda-feira, os representantes das duas Coreias fracassaram em chegar a um consenso sobre a data de reabertura, e marcaram novas reuniões para os próximos dias. Um porta-voz da Coreia do Sul, no entanto, mostrou otimismo e afirmou para a agência EFE que os países “avançaram nas negociações”.

Continua após a publicidade

Comitê – Para a nova rodada de encontros, os governos de Seul e Pyongyang formaram um comitê misto de representantes. O grupo ficará encarregado da gestão do complexo industrial, que antes estava sob responsabilidade exclusiva dos norte-coreanos. Por enquanto, o comitê enfrenta o desafio de solucionar as diferenças entre os países vizinhos e de assegurar a reabertura de Kaesong. A próxima reunião da nova equipe está agendada para a próxima terça-feira, 10 de setembro, mas dois encontros preliminares, de caráter técnico, serão realizados ainda nesta semana.

Leia mais: Coreias chegam a acordo para reabrir complexo industrial

Para facilitar os contatos entre as duas Coreias, o governo de Seul pediu que Pyongyang abra novamente a linha de comunicação militar entre os países, interrompida em março. Atualmente, a única via de contato entre os governos do Norte e do Sul é a linha telefônica da Cruz Vermelha, instalada na vila fronteiriça de Panmunjom.

Projeto – Kaesong foi fechado unilateralmente pela Coreia do Norte em abril, após as tensões na península provocadas pelo terceiro teste nuclear norte-coreano e as sanções internacionais contra o regime comunista. O complexo industrial era um dos principais temas pendentes a serem solucionados entre as Coreias. O projeto, em que empresas do Sul fabricavam produtos com mão de obra barata do Norte, era um símbolo do entendimento das duas Coreias na década passada e trazia benefícios para as companhias e para o governo do Norte.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês