Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Coreia do Norte reinicia produção de plutônio para bombas nucleares, diz autoridade dos EUA

Na segunda, a agência nuclear da ONU disse ter "indicações" de que os norte-coreanos reativaram uma usina para recuperar plutônio de combustível usado em reator

Por Da Redação 7 jun 2016, 19h48

A Coreia do Norte reiniciou a produção de combustível de plutônio, disse uma alta autoridade do Departamento de Estado americano nesta terça-feira, o que mostraria que o país planeja desenvolver um programa de armas nucleares, desafiando as sanções internacionais.

A avaliação dos Estados Unidos se deu um dia depois de a agência nuclear das Nações Unidas dizer que tem “indicações” de que os norte-coreanos reativaram uma usina para recuperar plutônio de combustível usado em um reator em Yongbyon, o principal complexo nuclear do país.

Os recentes desdobramentos sugerem que o isolado governo comunista da Coreia do Norte está trabalhando para garantir um suprimento estável de materiais no seu esforço para construir ogivas, apesar do endurecimento das sanções internacionais depois do seu quarto teste nuclear, feito em janeiro.

Leia também:

Para Coreia do Norte, Trump é ‘sábio’, e Hillary, ‘cabeça-dura’

Continua após a publicidade

Coreia do Norte fracassa em novo lançamento de míssil

A autoridade dos EUA, que falou sob condição de anonimato, afirmou que o governo americano está preocupado por causa do novo esforço para reprocessar plutônio, mas não fez nenhuma declaração clara em relação a uma possível resposta de Washington.

“Tudo na Coreia do Norte é motivo de preocupação”, afirmou a autoridade à agência de notícias Reuters. “Eles pegam o combustível gasto do reator de cinco megawatts em Yongbyon e o deixam esfriar, e então o levam para a instalação de reprocessamento. Foi lá que eles obtiveram o plutônio para os testes nucleares prévios. Então, eles estão repetindo o processo”, declarou a autoridade.

Movimentação em usina – Pyongyang prometeu em 2013 reativar todas as instalações nucleares, incluindo o principal reator e a menor usina em Yongbyon, que foi fechada em 2007 como parte do acordo internacional de desarmamento em troca de ajuda, que mais tarde ruiu. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que não tem acesso à Coreia do Norte e monitora as atividades do país principalmente por satélite, afirmou no ano passado ter visto sinais de volta das atividades em Yongbyon.

O chefe da AIEA, Yukiya Amano, disse numa entrevista à imprensa na segunda-feira em Viena que há indicações de atividades renovadas de reprocessamento de plutônio em Yongbyon. O reprocessamento envolve extrair plutônio do combustível usado do reator, um caminho para obter material para uma bomba que não seja o enriquecimento de urânio.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês