Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Coreia do Norte publica carta para indicar que Kim Jong-un está bem

Documento surge após ausência de 26 dias do ditador; vizinha Coreia do Sul diz que ele está 'vivo e bem'

Por Da Redação Atualizado em 27 abr 2020, 17h39 - Publicado em 27 abr 2020, 17h24

A Coreia do Norte publicou, nesta segunda-feira, 27, uma carta assinada por Kim Jong-un ao presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa. O documento, cuja autenticidade ainda não foi comprovada, contradiz rumores de que Kim encontra-se em estado grave de saúde depois de ter sido submetido a cirurgia cardíaca.

A CNN, que repercutiu a publicação, afirmou que não pode verificar a autenticidade da carta, datada de 27 de abril de 2020. No texto, o líder norte-coreano disse que a amizade entre as duas nações se expandiria e desenvolveria sem cessar. Também menciona o feriado do Dia da Liberdade – que marca o fim do apartheid –, celebrado no país nesta segunda-feira.

ASSINE VEJA

Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Além disso, de acordo com a emissora, um site especializado em assuntos norte-coreanos publicou imagens de satélite no sábado 25, mostrando um trem “provavelmente pertencente a Kim Jong-un”, estacionado no dia 21 de abril em uma estação ferroviária que serve o luxuoso complexo em Wonsan, também de propriedade do ditador.

No domingo 26, autoridades da vizinha Coreia do Sul disseram que o líder norte-coreano está “vivo e bem”. “Nossa posição no governo é firme. Kim Jong-un está vivo e bem”, disse Moon Chung-in, autoridade de segurança nacional do presidente sul-coreano, Moon Jae-in. Ele foi entrevistado pela emissora americana CNN, e disse que Kim estava na cidade turística Wonsan desde o dia 13 de abril.

“Nenhum movimento suspeito foi detectado até agora”, completou Moon Chung-in.

  • Desde que Kim faltou à comemoração de aniversário de seu avô Kim Il-sung, o fundador da Coreia do Norte, as suspeitas acerca de seu estado de saúde aumentaram. O dia 15 de abril é a data mais importante do calendário político do país, e o líder norte-coreano não é visto desde que presidiu uma reunião do Partido dos Trabalhadores da Coreia no politburo, em 11 de abril.

    Sua ausência desencadeou uma série de reportagens sobre sua condição de saúde, que ganharam intensidade depois que o Daily NK, um meio de comunicação online baseado em Seul que emprega desertores norte-coreanos, afirmou que Kim estava se recuperando de um “procedimento cardiovascular”. Supostamente, ele teria precisado de tratamento urgente devido ao fumo intenso, obesidade e fadiga.

    Autoridades em Seul e Pequim insistiram que não há nada que sugira que Kim não esteja bem.

    Continua após a publicidade
    Publicidade