Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Coreia do Norte planeja novo teste nuclear e ameaça EUA

Teste é dirigido ao 'inimigo jurado do povo norte-coreano', diz Pyongyang

A Coreia do Norte anunciou nesta quinta-feira que prepara um novo teste nuclear e que continuará com seu programa de lançamento de satélites e mísseis de longo alcance – ações, afirmou o governo norte-coreano, dirigidas aos Estados Unidos, país chamado de inimigo.

Leia também:

Após sanções, Pyongyang promete ampliar poder nuclear

Nações Unidas ampliam sanções contra a Coreia do Norte

Coreia do Norte tem foguete capaz de atingir os EUA, diz Seul

O regime de Pyongyang fez essa advertência por meio de um comunicado publicado pela agência estatal KCNA, apenas dois dias depois do Conselho de Segurança da ONU ter ampliado as sanções contra o país comunista devido a seu recente lançamento de foguete.

“Não ocultamos o fato de que os satélites e mísseis de longo alcance que seguiremos lançando e o teste nuclear que vamos realizar estarão dirigidos ao inimigo jurado do povo norte-coreano, os Estados Unidos”, diz o texto.

Sanções – O regime comandado pelo ditador Kim -Il-sung já havia reagido em tom de ameaça à ampliação das sanções, aprovada por unanimidade pelo Conselho de Segurança do órgão na noite de terça-feira. Em um comunicado no dia seguinte, Pyongyang prometeu expandir e ampliar seu poder nuclear e sua capacidade militar.

Após o aumento das sanções, o ministro das Relações Exteriores norte-coreano informou que não haverá mais negociações sobre o fim do programa nuclear do país. Entre as razões apontadas estão a “piora da política hostil dos Estados Unidos contra a Coreia do Norte”, que serviu de justificativa para o regime considerar nulas as chamadas conversas de seis lados e a declaração conjunta de 19 de setembro, pondo fim à “desnuclearização da península”.

As conversas de seis lados envolviam as duas Coreias, EUA, China, Japão e Rússia, e representaram uma tentativa de acordo para encerrar as pretensões atômicas de Pyongyang, Elas haviam sido congeladas em 2008, após o então ditador Kim Jong-il resolver se retirar da mesa de negociações em protesto a novas sanções da ONU contra o país, aprovadas pelo mesmo motivo da nova resolução: a insistência de Pyongyang em realizar testes com mísseis.

(Com agência EFE)