Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Coreia do Norte pede liberação de navio retido no Panamá

Pyongyang repete tese cubana de que armamento obsoleto seria devolvido após revisão. Venda de armas ao regime norte-coreano é proibida

A Coreia do Norte pediu a liberação do navio apreendido pelo Panamá com uma carga de armamentos vinda de Cuba. O regime de Kim Jong-un argumentou que a carga era transportada de acordo com um “contrato legítimo” e repetiu a tese cubana de que se tratava de material obsoleto. “Esse carregamento não é nada mais do que armas antigas que serão enviadas de volta a Cuba depois de passarem por uma revisão, de acordo com um contrato legítimo”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores, segundo informação da agência oficial KCNA. “As autoridades do Panamá devem tomar a iniciativa de deixar a tripulação e a embarcação partirem sem demora”.

O Panamá apreendeu o cargueiro norte-coreano depois de uma denúncia de que ele poderia estar transportando drogas. As autoridades encontraram o que seriam componentes de um sistema de radar da era soviética que estavam sendo transportados debaixo de sacos de açúcar mascavo. O país pediu ajuda às Nações Unidas para determinar a legalidade do carregamento não declarado. Também pediu auxílio técnico aos Estados Unidos para inspecionar o carregamento. Basicamente, o pedido é por equipamentos de imagem e pessoal técnico que ajude a examinar o que o navio transportava.

A suspeita é que tenha ocorrido uma violação à proibição da venda de armas a Pyongyang, medida estabelecida pela ONU em resposta às pretensões nucleares do país. Neste caso, o argumento de que se trata de material obsoleto que passará por manutenção seria uma forma de ocultar a importação de armas pelo regime de Kim Jong-un.

O capitão da embarcação – que teria tentado cometer suicídio quando a carga foi descoberta – e 35 norte-coreanos resistiram à detenção, segundo o ministro da Defesa panamenho, Jose Raul Mulino. Nesta quarta, o ministro afirmou que outros dois contêineres com armamentos foram encontrados, além dos dois que já haviam sido confiscados. A tripulação poderá enfrentar acusações de ameaça à segurança nacional.

(Com agência Reuters)