Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Coreia do Norte: Lançar foguetes contra EUA se tornou inevitável

Declaração aconteceu após bombardeiros americanos sobrevoarem área desmilitarizada em demonstração de força

Por Da redação 23 set 2017, 19h21

A Coreia do Norte afirmou neste sábado que lançar seus foguetes no território dos EUA se tornou “inevitável” depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, chamou o líder de Estado norte-coreano de “homem-foguete”, em mais um episódio da guerra retórica entre os dois líderes.

As declarações do ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, perante a Assembléia Geral da ONU, ocorreram horas depois de dois bombardeiros da Força Área dos EUA B-1B Lancer, escoltados por jatos de combate, voarem sobre águas a leste da Coréia do Norte em uma demonstração de força do governo norte-americano, um episódio no qual o Pentágono quis mostrar a gama de opções militares disponíveis para Trump.

“Através de uma luta tão prolongada e árdua, agora estamos finalmente a poucos passos da fase final de conclusão da força nuclear”, disse Ri Yong Ho na reunião anual de líderes mundiais.

“Não passa de desespero considerar que a República Popular Democrática da Coréia fique abalada ou mude sua posição devido às sanções mais severas das forças hostis”, disse ele.

Continua após a publicidade

Trump anunciou novas sanções dos EUA na quinta-feira, que agora têm como alvo empresas e instituições que financiam e facilitam o comércio com a Coréia do Norte. No início deste mês, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade a sua nona rodada de sanções contra Pyongyang para combater os programas nuclear e de mísseis balísticos.

Ri Yong Ho, que disse que o objetivo final de Pyongyang era estabelecer um “equilíbrio de poder com os EUA”, retrucou que o próprio Trump estava em uma “missão suicida” depois dos comentários do presidente norte-americano sobre Kim.

Demonstração de força

O voo dos bombardeiros foi o mais ao norte da zona desmilitarizada que separa a Coreia do Norte e a Coréia do Sul que um avião norte-americano realizou no século 21, segundo o Pentágono.

“Esta missão é uma demonstração de força dos EUA e uma mensagem clara de que o presidente tem muitas opções militares para derrotar qualquer ameaça”, disse a porta-voz do Pentágono, Dana White.

O episódio ocorreu logo depois de membros de governo e especialistas esclarecerem que um pequeno terremoto perto da base de testes nucleares da Coreia do Norte era um terremoto comum, apaziguando os temores de que Pyongyang teria explodido outra bomba nuclear apenas algumas semanas depois da última.

O órgão chinês responsável pelo acompanhamento de terremotos também disse que o pequeno tremor não foi uma explosão nuclear e que tinha características de um tremor natural.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)