Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Coreia do Norte anuncia ‘estado de guerra’ com Sul

Pyongyang ameaça reagir a qualquer provocação militar na região fronteiriça

Por Da Redação 29 mar 2013, 22h50

A Coreia do Norte reforçou sua retórica beligerante e provocativa na manhã neste sábado, horário local. O governo de Kim Jong-un anunciou que o país entrou no que chamou de “estado de guerra” com a Coreia do Sul. Os dois países estão tecnicamente em guerra desde 1953 pois o conflito entre as duas nações foi encerrada por meio de um armistício e não de um tratado de paz. Há três semanas, o regime norte-coreano já havia anunciado que considerava nulo o cessar-fogo com o país vizinho.

“Qualquer provocação militar próxima às fronteiras terrestres e marítimas levará a um conflito em grande escala e a uma guerra nuclear”, advertiu o comunicado oficial. “A partir de agora, todas as questões de estado entre as duas Coreias serão tratadas sob o protocolo de guerra. A situação que prevaleceu por muitos anos em que a península da Coreia não estava nem em paz nem em guerra acabou.”

Leia também:

Sob olhar da TV estatal, norte-coreanos prometem guerra aos EUA

Coreia do Norte posiciona mísseis contra bases dos EUA

O anúncio norte-coreano, no entanto, não deve representar nenhuma mudança substancial no cenário regional. Na opinião de analistas e do próprio governo da Coreia do Sul, trata-se de mais uma manobra do regime de Pyongyang que segue a tendência observada nas últimas semanas de adotar um discurso belicista apostando em efeitos psicológicos, como ressaltou um representante do Ministério da Defesa sul-coreano. “Acreditamos que ao revelar (o “estado de guerra”) à imprensa e divulgá-lo pelo mundo, a Coreia do Norte esteja jogando psicologicamente”, afirmou o porta-voz do ministério, Kim Min-seok.

Continua após a publicidade

O mais provável, acreditam os Estados Unidos, é que o jovem ditador Kim Jong-un, que herdou o governo há pouco mais de um ano, busque com a guerra de palavras se firmar no comando do país e mostrar sua capacidade de liderança à cúpula das Forças Armadas. “Estamos convencidos de que Kim está solidificando sua posição junto a seu próprio povo e aos militares, que ainda não o conhecem”, disse um alto funcionário do governo Barack Obama ao jornal The New York Times. Segundo a fonte, cuja identidade não foi revelada, a Casa Branca está preocupada com o que virá pela frente, mas não com o que o governante norte-coreano ameaça fazer.

Os norte-coreanos elevaram ainda mais o tom das provocações nos últimos dois dias por causa dos exercícios militares realizados pelos Estados Unidos e Coreia do Sul em região fronteiriça, inclusive com uso dos bombardeiros americanos B-52, de capacidade nuclear. Na sexta-feira, Kim Jong-un ordenou que as plataformas de mísseis entrassem em estado de alerta e que os foguetes fossem posicionados contra alvos dos Estados Unidos na Coreia do Sul e no Pacífico. O disparo de míssies, como ameaça a Coreia do Norte, é considerado improvável pelas próprias consequências que isso teria para o país comunista. Mas ataques cibernéticos como o que atingiu bancos e TVs da Coreia do Sul na semana passada, e que ainda não foi totalmente esclarecido, estão no foco das atenções americanas.

Protesto – Na tarde de sexta-feira, dezenas de milhares de militares e civis norte-coreanos marcharam no centro de Pyongyang em uma demonstração de apoio ao governo, afirmou a imprensa estatal. A magnitude da manifestação não pode ser confirmada por meios independentes, já que a censura no país é generalizada. O ato teria sido realizado na praça Kim Il-sung, e o ditador Kim Jong-un não estava presente.

Sob as imagens gigantes do pai de Kim Jong-un, Kim Jong-il, e de seu avô, Kim Il-sung, civis e soldados juraram obediência ao presidente. “A declaração foi um ultimato do Exército coreano contra os imperialistas americanos”, declarou um porta-voz no início da manifestação. “Vamos pegar em armas e bombas por nosso respeitado líder Kim Jong-un.”

Desde o início de março, quando a ONU adotou sanções contra a Coreia do Norte por causa da realização de um novo teste nuclear no mês anterior, o governo norte-coreano vem aumentando sua retórica belicista. Embora especialistas duvidem que o país tenha capacidade para atingir a área continental dos EUA, afirmam que bases no Japão e na ilha americana de Guam estão no alcance das armas convencionais de Pyongyang. Washington afirma que tem total condição de proteger seu território e o de seus aliados.

(Com Agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade