Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Coreia do Norte acusa Sul de ter enviado balões contaminados com Covid

Acusação faz parte da tentativa do regime de culpar a Coreia do Sul pelo atual surto de Covid-19 no Norte; especialistas dizem que alegação é implausível

Por Da Redação 1 jul 2022, 10h01

A Coreia do Norte acusou nesta sexta-feira, 1, a Coreia do Sul de ter enviado balões e objetos não identificados contaminados com Covid-19 pela fronteira, culpando o vizinho pelo seu surto de coronavírus.

Depois de dois anos insistindo que não havia registrado um único caso do vírus, autoridades norte-coreanas admitiram suas primeiras infecções em 12 de maio. O anúncio provocou temores de uma crise de saúde pública no país, que não fez nenhuma campanha de vacinação nem adquiriu imunizantes.

Nesta sexta-feira, o país informou que 4.570 pessoas apresentavam “sintomas de febre”, elevando o número total de casos para 4,74 milhões. Autoridades de saúde referem-se ao termo sintomas de febre, e não ao Covid-19, aparentemente devido à escassez de kits de teste. Apenas 73 mortes foram oficialmente registradas pela Coreia do Norte.

+ Sem vacinas, Coreia do Norte ultrapassa 2 milhões de casos de Covid-19

A agência de notícias oficial KCNA informou que um soldado de 18 anos e uma criança de cinco anos que tocaram “materiais não identificados” no condado de Kumgang, no leste do país, no início de abril, apresentaram sintomas e depois tiveram resultados positivos para a Covid-19.

“Um aumento acentuado de casos de febre foi testemunhado entre seus contatos e um grupo de pessoas febris surgiu na área pela primeira vez”, afirmou a agência.

Continua após a publicidade

A parte estranha da história não é que o Sul tenha enviado balões e outros objetos não identificados – isso já aconteceu antes. Ativistas desertores usam balões para enviar panfletos anti-regime e ajuda humanitária através da fronteira fortificada entre os países.

No entanto, a primeira vez que grupos de desertores norte-coreanos enviaram balões pela fronteira este ano foi no final de abril da região ocidental de Gimpo.

A KCNA alertou os cidadãos para “lidarem vigilantemente com objetos desconhecidos que vêm pelo vento e outros fenômenos climáticos e balões nas áreas ao longo da linha de demarcação e fronteiras”.

Em resposta, o Ministério da Unificação do Sul disse nesta sexta-feira que “não há possibilidade” de que o coronavírus tenha entrado no Norte por meio de balões. Desde os primeiros meses da pandemia, após a condução de estudos, especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos descobriram que o vírus não se propaga facilmente pelo contato com a superfície de objetos.

O regime não aceitou uma explicação mais plausível – que a Covid-19 entrou na Coreia do Norte depois de retomar o comércio transfronteiriço com a China. O governo não quer correr o risco de ter que reforçar as medidas de quarentena na área de fronteira, pois seria um revés adicional ao comércio para o país já empobrecido.

Pyongyang rejeitou ofertas externas de ajuda humanitária, incluindo vacinas contra a Covid-19 e suprimentos médicos, para ajudá-lo na pandemia. O governo acusou os Estados Unidos de usar o gesto para mascarar sua política “hostil” em relação à Coreia do Norte.

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte disse que os Estados Unidos estavam faltando com sinceridade ao oferecer ajuda enquanto continuavam a realizar exercícios militares e pressionavam por mais sanções em resposta aos programas nucleares e de mísseis balísticos do regime.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)