Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Copa do Mundo: Fifa pede ‘foco no futebol, não em política’ durante jogos

Entidade apela que 'batalha ideológica' seja evitada após seleções anunciarem protestos contra violações de direitos humanos no Catar, sede do evento

Por Da Redação
4 nov 2022, 13h21

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) enviou uma carta às 32 seleções que disputam a Copa do Mundo 2022 nesta sexta-feira, 4, pedindo que as equipes evitem discussões políticos durante o torneiro para se concentrarem nos jogos.

+ Copa do Catar terá novidades e muito luxo, mas está cercada de polêmicas

A rede britânica BBC teve acesso ao conteúdo do documento assinado pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, e pela secretária-geral, Fatma Samoura. No texto, as autoridades alegam estar cientes dos “desafios de natureza política”, mas que o futebol deve se sobrepor a eles.

“Por favor, não permita que o futebol seja arrastado para todas as batalhas ideológicas ou políticas que existem”, diz a carta. “Na Fifa, tentamos respeitar todas as opiniões e crenças, sem entregar lições de moral para o resto do mundo. Nenhum povo, cultura ou nação é ‘melhor’ do que qualquer outro. Este princípio é a pedra fundamental respeito mútuo e não discriminação.”

Continua após a publicidade

A intenção de instituição seria amenizar os protestos contra o governo do Catar, sede do evento que terá início em 20 de novembro. O país tem sido criticado criticado globalmente por acusações envolvendo discriminação contra homossexuais, violações de direitos humanos e de leis trabalhistas.

Organizações de direitos humanos denunciaram a exploração de trabalhadores estrangeiros durante a construção dos estádios. De acordo com os relatos, muitos dos imigrantes foram alojados em campos de trabalho precários, tiveram compensação inadequada e foram forçados a permanecer no país por meio de passaportes confiscados.

Um relatório da Anistia Internacional publicado no ano passado apontou que o país falhou em investigar as mortes de dezenas de trabalhadores migrantes na última década.

Continua após a publicidade

Em setembro, a seleção de futebol da Austrália se tornou a primeira das participantes da Copa do Mundo 2022 a condenar declaradamente os supostos abusos cometidos pelo anfitrião do torneio. 

A fornecedora de material esportivo da seleção da Dinamarca, Hummel, anunciou que os jogadores usariam uma camisa preta, a cor do luto, para reconhecer de forma “velada” a morte de operários durante as preparações do evento.

A equipe dinamarquesa também aderiu à campanha que inclui outras sete seleções europeias, que promove a igualdade e a diversidade sexual, chamada “One Love”. O movimento propõe que os capitães dos time usem braçadeiras multicoloridas com símbolo da campanha.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.