Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Conservadores iniciam processo de escolha do novo primeiro-ministro britânico

Primeira rodada de votações irá eliminar um dos cinco candidatos na corrida pelo cargo de David Cameron

A corrida para liderar o Partido Conservador e se tornar o próximo primeiro-ministro do Reino Unido terá sua primeira fase nesta terça-feira. Durante o dia, parlamentares da legenda realizam uma primeira votação para eliminar um dos cinco candidatos que desejam ocupar o posto que será deixado em breve por David Cameron, em razão da aprovação do Brexit.

Após essa primeira rodada, os parlamentares conservadores irão repetir o processo mais uma vez na quinta-feira, e novamente na próxima terça, quando a lista ficará reduzida a dois nomes. Então, a votação será aberta os cerca de 150.000 membros do partido, que deverão escolher o próximo líder até 9 de setembro.

A secretária do Interior Theresa May, que apoiou Cameron na campanha pela permanência na União Europeia, é vista como a favorita pela imprensa britânica. May enfrenta alguma oposição de membros do partido que defendem que o novo primeiro-ministro deveria ser alguém favorável ao Brexit, uma vez que será o responsável por conduzir a saída.

Leia também:

Como uma traição fez Boris Johnson desistir de ser premiê britânico

Brexit: Quem ganha e quem perde com a saída do Reino Unido da UE

Brexit pode “nunca acontecer”, diz secretário de Estado dos EUA

Outro destaque é Andrea Leadsom, ministra de Energia britânica. Ela recebeu o apoio do ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, que desistiu de competir, mas é vista como politicamente menos experiente que May. Também concorrem ao cargo Stephen Crabb, secretário do Trabalho e Pensões, o ex-ministro da Defesa, Liam Fox, e o secretário de Justiça Michael Gove, cuja candidatura foi responsável pela desistência de Johnson.

Todos os candidatos a primeiro-ministro prometeram respeitar o resultado do referendo do mês passado, além de aplicarem medidas para inibir a imigração, uma das principais reivindicações dos defensores do Brexit.

(Com AFP)