Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Conselho Municipal pede remoção de estrela de Trump da Calçada da Fama

Decisão cabe agora à Câmara de Comércio de Hollywood, que afirmou não ter planos de retirar símbolo

Por Da Redação Atualizado em 7 ago 2018, 14h28 - Publicado em 7 ago 2018, 13h35

O Conselho Municipal de West Hollywood aprovou em votação nesta terça-feira (7) a retirada da estrela do presidente americano Donald Trump da Calçada da Fama.

Porém, segundo a imprensa americana, a decisão foi apenas simbólica, já que o Conselho Municipal não tem jurisdição sobre o conhecido ponto turístico de Los Angeles.

Pelo Twitter, o prefeito da cidade, John Duran, afirmou que a decisão tomada pelo Conselho foi unânime e seria repassada à Câmara de Comércio de Hollywood para que o órgão pudesse remover a estrela.

Segundo Duran, a votação foi motivada por dois fatores. O primeiro é o fato da estrela ter sido vandalizada duas vezes. O segundo é que as políticas conservadoras do presidente americano vão contra as posições dos atores e astros cinema nos Estados Unidos.

Contudo, a Câmara de Comércio, que possui jurisdição sobre a Calçada da Fama, afirmou à emissora americana CNN que, por enquanto, a estrela não será removida.

Continua após a publicidade

“Assim que recebermos o comunicado da cidade de West Hollywood, ele será encaminhada ao nosso Comitê Executivo para consideração em sua próxima reunião”, afirmou o presidente da Câmara do Comércio, Leron Gubler. “Por enquanto, não há planos para remover nenhuma estrela da Calçada da Fama de Hollywood”, completou.

Gluber disse ainda que, uma vez que uma estrela é adicionada à Calçada, ela é considerada “uma parte da construção histórica da Calçada da Fama de Hollywood” e que nunca antes uma estrela foi removida.

A estrela de Trump foi instalada em 2007 em reconhecimento por seu trabalho na televisão, que antecede seu envolvimento na política, incluindo sua atuação como apresentador do reality show O Aprendiz na rede NBC e como produtor dos concursos de Miss Universo.

Vandalismo

A estrela se tornou o cenário de diversos protestos anti-Trump desde que o republicano anunciou sua candidatura presidencial em 2015, e foi vandalizada duas vezes por homens com ferramentas pesadas — mas consertada rapidamente.

Um dos incidentes aconteceu em 25 de julho. O responsável, identificado como Austin Mikel Clay, de 24 anos, foi acusado formalmente nesta segunda-feira (6).

Segundo o condado de Los Angeles, Clay utilizou uma picareta para destruir a estrela. Antes de deixar o local, contudo, ele avisou aos policiais sobre sua ação.

Se for condenado, Clay pode pegar uma pena de até 3 anos de prisão. Inicialmente, foi feito um registro pelo vandalismo, com fiança fixada em 20.000 dólares.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade