Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Conselho de Segurança da ONU amplia sanções à Coreia do Norte

Por unanimidade, órgão impôs sanções de 1 bilhão de dólares para frear o programa de mísseis desenvolvido pelo regime do ditador Kim Jong-un

Por Mariana Barros - 5 ago 2017, 17h13

O Conselho de Segurança da ONU decidiu neste sábado, por unanimidade, ampliar as sanções ao programa de mísseis da Coreia do Norte. No mês passado, o país do ditador Kim Jong-Un testou dois mísseis balísticos intercontinentais que, em teoria, podem ameaçar até os Estados Unidos. Na ocasião, Coreia do Sul, Japão e também o governo americano condenaram os testes.

As restrições da ONU caminham para aumentar a pressão econômica sobre Pyongyang, proibindo exportações de minerais e de frutos do mar, que representam mais de 1 bilhão de dólares, ou um terço do total das exportações do país realizadas no ano passado.

Segundo a emissora americana CBS, um projeto também pretende proibir outros países de conceder novas licenças a trabalhadores norte coreanos, bloquear novos empreendimentos e parceria com empesas norte-coreanas e reduzir os investimentos em operações internacionais conjuntas já em andamento.

Por mais de uma década, o Conselho de Segurança da ONU tentou conter as ambições nucleares de Pyongyang, em vão. Sanções anteriores foram contornadas por muitas nações, especialmente pela China, a principal parceira comercial do país. As novas restrições devem ser votadas pelos membros do conselho no próximo sábado.

Publicidade

Da redação

Publicidade