Clique e assine a partir de 9,90/mês

Confrontos no Cairo deixam quatro mortos e dezenas de feridos

Conflitos envolveram partidários do presidente deposto Mursi e forças policiais

Por Da Redação - 4 out 2013, 22h08

Confrontos entre partidários do presidente deposto Mohamed Mursi e forças de segurança deixaram ao menos quatro mortos nesta sexta-feira no Egito. Grupos contrários ao ex-presidente também se envolveram nos conflitos. Fontes da área médica afirmam que outras quarenta pessoas ficaram feridas no Cairo.

As mortes ocorreram em dois bairros da capital, segundo declarações de um porta-voz do Ministério do Interior publicadas pelo jornal estatal Al Ahram. Todos os quatro eram apoiadores da Irmandade Muçulmana. A polícia usou gás de pimenta para dispersar manifestantes que tentaram ocupar a praça Tahir, centro de protestos desde a revolta que derrubou o ditador Hosni Mubarak. Também foram registrados confrontos no distrito de Sharqiya, no norte, em Gizé, no leste, e na cidade portuária de Alexandria.

Membros da Irmandade, que teve suas atividades banidas por uma ordem judicial, tentaram chegar ao palácio presidencial, mas foram impedidos pela polícia. Também houve tentativas frustradas de chegar ao Ministério da Defesa e às instalações da Guarda Republicana.

Leia também:

Continua após a publicidade

Leia também: Submetidos a impostos, cristãos relatam tensão com islâmicos radicais

Os conflitos ocorrem um dia depois de a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, se encontrar com os principais nomes do governo provisório, como o general Abdel Fattah al-Sisi, que anunciou a queda de Mursi, no dia 3 de julho. Catherine também se reuniu com políticos da Irmandade e pediu que os dois lados busquem uma reconciliação. Pedido que parece difícil de ser atendido diante da polarização que persiste no país.

O governo temporário liderado por Sisi afirma que o período de transição levará à realização de novas eleições. Do outro lado, o grupo islâmico que levou Mursi ao poder em junho do ano passado, se recusou a reconhecer o governo transitório.

(Com agência Reuters)

Publicidade