Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Confrontos e repressão matam 7 na Síria, dizem ativistas

Vítimas de três cidades incluem um garoto de apenas 13 anos

Por Da Redação - 21 jun 2011, 15h46

Mesmo depois de o ditador Bashar Assad decretar anistia geral na manhã desta terça-feira, os ânimos continuam acirrados na Síria. Partidários e opositores do governo entraram em confronto em três cidades, e as forças de segurança abriram fogo contra a multidão. A violência deixou pelo menos sete vítimas fatais, incluindo um adolescente, segundo ativistas.

O grupo Comitês de Coordenação Local informou que um garoto de 13 anos foi morto quando forças de segurança abriram fogo contra manifestantes na cidade de Hama, no centro do país. Três outras pessoas foram mortas em Homs, também no centro sírio, e três no distrito de Mayadin, na cidade de Deir el Zour, no leste, durante manifestações a favor e contra o regime. Um porta-voz dessa entidade de Direitos Humanos, Omar Idilbi, disse que as autoridades estão intensificando a repressão.

Assad ordenou hoje uma nova anistia geral, um dia após oferecer um diálogo nacional para encerrar os violentos protestos no país. “O presidente Assad emitiu um decreto concedendo uma anistia geral para crimes cometidos antes da data de 20 de junho de 2011”, afirmou a agência estatal Sana, sem dar mais detalhes sobre a decisão.

(Com agência Estado)


Publicidade