Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Confronto em frente ao Parlamento deixa 100 policiais feridos em Kiev

Manifestantes radicais atiraram uma bomba contra os policiais. Os nacionalistas protestam contra as reformas que dão mais autonomia às regiões de Donetsk e Lugansk

Quase 100 militares e policiais ficaram feridos nesta segunda-feira em consequência de uma explosão em freta o Parlamento da Ucrânia durante confrontos entre as forças de segurança e um grupo de manifestantes radicais. Um grupo de manifestantes radicais, de acordo com a imprensa local, lançou uma bomba contra o cordão policial que protegia o Parlamento pouco depois de o Legislativo aprovar uma reforma constitucional para descentralizar o país. Dois dos militares feridos estão em estado grave, apontou a Guarda Nacional da Ucrânia.

O correspondente da agência russa Interfax informou que um dos policiais perdeu as duas pernas. O chefe da polícia de Kiev, Aleksandr Tereschuk, informou que o homem que jogou a granada contra os agentes de segurança já foi detido e está sendo identificado. A Praça da Constituição, onde fica o Parlamento ucraniano, está envolvida em fumaça, enquanto os radicais continuam lançando bombas de fumaça, garrafas e paralelepípedos contra o cordão policial.

Leia também

Mesmo sem provas, Rússia condena cineasta ucraniano a 23 anos de prisão

Papa pede a Putin que se comprometa com paz na Ucrânia

Como estará o mundo daqui a 10 anos?

Os enfrentamentos entre as forças de segurança e os manifestantes nacionalistas começaram depois da aprovação, em primeira leitura, da reforma constitucional sobre a descentralização do país. A descentralização é um dos pontos dos acordos de Minsk para a solução do conflito nas regiões ucranianas de Donetsk e Lugansk, que abrigam movimentos rebeldes separatistas. Com as reformas, as regiões seguem como parte do território ucraniano, mas ganharão mais autonomia política.

Os manifestantes protestam contra o chamado “regime especial de autogoverno em Donetsk e Lugansk”. Os ucranianos nacionalistas consideram a reforma uma concessão inadmissível aos rebeldes separatistas apoiados pela Rússia.

(Da redação)