Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Conflito entre budistas e muçulmanos mata 7 em Mianmar

Cerca de 50 pessoas ficaram feridas e mais de 1.000 casas foram incendiadas

Por Da Redação 25 out 2012, 08h22

O número de mortos pela violência entre a população budista e a muçulmana no oeste de Mianmar, para onde foram enviadas tropas de reforço, já chegou a sete, informou nesta quinta-feira o chefe de comunicação do governo, Myo Than. Além disso, cerca de 50 pessoas ficaram feridas e mais de 1.000 casas foram incendiadas nos distúrbios registrados entre domingo e terça-feira em várias aldeias no estado de Rakhine, contíguo a Bangladesh.

Em uma tentativa de evitar novos enfrentamentos sectários, as autoridades mantêm o toque de recolher nas aldeias de Mrauk U e Minbya, origem dos atos violentos que depois se estenderam a outras localidades. Myo Than explicou que, embora a polícia tenha restabelecido a segurança, o governo deu ordem de enviar tropas de reforço à região, na qual a onda de violência iniciada em 28 de maio causou 88 mortes, a maioria de muçulmanos da etnia rohingya.

Leia também:

Leia também: Post no Facebook motiva ataques a templos budistas

O estopim dessa primeira onda de violência, durante a qual também foram destruídas 2.230 casas e 100.000 pessoas fugiram das aldeias, foi a descoberta do cadáver de uma mulher budista estuprada e assassinada por três muçulmanos.

Cerca de 800.000 muçulmanos da etnia rohingya vivem em Mianmar, a maioria em Rakhine, embora as autoridades deste país, de maioria budista, não reconheçam sua cidadania e afirmem que eles vêm de Bangladesh. Porém, esta comunidade apátrida também não é reconhecida em Bangladesh, onde cerca de 300.000 rohingya se encontram amontoados em campos de refugiados.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade