Clique e assine a partir de 9,90/mês

Companhias normalizam voos para Argentina e Uruguai

Nuvem de cinzas de vulcão chileno está prestes a completar volta ao mundo

Por Da Redação - 15 jun 2011, 19h58

Os voos da companhia aérea LAN, que saem do Brasil com destino aos aeroportos de Ezeiza e Aeroparque, na Argentina, estão operando normalmente, segundo informou a empresa em nota. De acordo com a LAN, até o meio dia desta quarta-feira, já foram transportados cerca de 500 passageiros. O mesmo não aconteceu com os voos para Auckland, na Nova Zelândia, e Sydney, na Austrália, que seguem suspensos em função das cinzas expelidas pelo vulcão chileno Puyehue.

A LAN recomenda aos passageiros que consultem a situação do voo pelo site da companhia. Aqueles que já compraram bilhete podem mudar de rota sem multa ou pedir a devolução do dinheiro.

Outras empresas – A Gol também afirmou que opera normalmente para os aeroportos internacionais de Buenos Aires e Rosário, na Argentina, e Montevidéu, no Uruguai. A companhia aérea comunicou que já começou a contatar os clientes para informar a sobre retomada de voos. A TAM disse ter regularizado as rotas para os países do Cone Sul.

Por volta das 13h00, apenas dez dos 87 voos internacionais programados no país haviam sido cancelados, segundo informações da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Destes, sete deveriam partir do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, e outros três do Galeão, no Rio de Janeiro.

Volta ao mundo – A nuvem de cinzas do vulcão Puyehue, localizado no sul do Chile, está prestes a completar a volta ao mundo, 11 dias após o início da erupção. Ela avança a cerca de 100 km/h, e deve regressar ao Chile neste fim de semana, segundo especialistas. “A nuvem já está na Ilha de Páscoa e nos atingirá pelas costas no sábado. Ou seja, retornará ao território continental chileno pelo Oceano Pacífico após seguir uma trajetória de oeste a leste”, disse Pablo Ortega, secretário-geral da Direção de Aeronáutica Civil do Chile.

O Puyehue, localizado no Cordón-Caulle, começou sua erupção no sábado, 4 de junho. Os ventos levaram, imediatamente, a nuvem de cinzas em direção ao leste, para a cidade argentina de Bariloche, que ficou coberta com um manto de 40 centímetros de cinzas. Depois, ela passou por Buenos Aires e Montevidéu. Posteriormente, seguindo a rotação natural da Terra – de oeste a leste -, as cinzas chegaram à Austrália e Nova Zelândia, dando a volta ao mundo e retornando ao seu ponto de partida nos próximos dias.

(Com agências Estado e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade