Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Companheiras de padres escrevem carta ao papa Francisco

Mulheres que vivem com padres católicos pedem ao sumo pontífice que reveja o celibato

Por Da Redação
17 Maio 2014, 19h48

Vinte e seis companheiras de padres pediram ao papa Francisco para repensar sobre o celibato dos homens na Igreja Católica, numa carta aberta publicada neste sábado pelo site Vatican Insider, especializado em notícias sobre o Vaticano. “Nós amamos estes homens e eles nos amam”, escrevem as mulheres que assinam com seus nomes e a inicial de seus sobrenomes a carta, à qual o site de informações religiosas teve acesso.

“Caro papa Francisco, nós somos um grupo de mulheres de todas as regiões da Itália que escrevemos para romper a parede de silêncio e de indiferença que nos cerca todos os dias. Cada uma de nós vive, viveu ou gostaria de viver uma relação de amor com um membro do corpo eclesiástico, por quem somos apaixonadas”, afirmam as signatárias. As mulheres, que deixaram o número de telefone no final da carta, querem, “com humildade, levar aos seus pés nosso sofrimento até que alguma coisa mude, não apenas por nós, mas também pelo bem de toda a Igreja”. No último mês de março, Francisco defendeu fervorosamente o celibato dos padres ao falar para bispos africanos.

Leia também

Papa Francisco proclama João Paulo II e João XXIII santos

Papa chora ao saber sobre cristãos crucificados na Síria

Para Jorge Mario Bergoglio, os futuros padres devem ser bem formados desde o seminário “para viver de verdade as exigências do celibato eclesiástico, assim como ter uma relação justa com os bens materiais”. Em setembro de 2013, o número dois do Vaticano, Monsenhor Pietro Parolin, afirmou que o celibato “não é um dogma e é possível discuti-lo já que é uma tradição da Igreja”, provocando um grande debate no mundo católico. À época, a afirmação de Parolin causou uma entusiasmada onda de debates na mídia, mas especialistas logo alertaram que não havia nada de novo em seu discurso.

Em 1997, o cardeal e teólogo Joseph Ratzinger, que depois ficaria famoso como o papa Bento XVI, escreveu um livro, O Sal da Terra, afirmando que o celibato “com certeza não é um dogma”. Na época, o alemão Ratzinger era o chefe da Congregação para a Doutrina da Fé. O celibato de padres é um tema que sempre volta à tona de tempos em tempos no Vaticano, mas Francisco não fez nenhuma alusão a mudanças nesta matéria desde que assumiu como Papa, em março de 2013.

(Com agência France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.