Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Comitê do Senado confirma interferência russa na eleição de Trump

Ao final de 14 meses de investigação, senadores indicaram estar corretas as conclusões dos órgãos de inteligência dos EUA

O Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos concluiu que o governo da Rússia interferiu na campanha presidencial de 2016 em favor do então candidato republicano, Donald Trump, e para prejudicar sua concorrente democrata, Hillary Clinton.

Segundo o jornal The Washington Post, o  resultado coloca em linha a apuração do Comitê com as conclusões da comunidade de inteligência dos Estados Unidos. Mas contradiz o resultado encontrado pela Comissão de Inteligência da Câmara dos Representantes em abril. Os deputados concluíram que os órgãos de inteligência americanos “não empregaram o trabalho analítico adequado” para avaliar as intenções do presidente russo, Vladimir Putin.

“Não temos razão para contrariar as conclusões (dos órgãos de inteligência)”, afirmou o senador republicano Richard Burr, presidente do Comitê. “os esforços da Rússia foram amplos, sofisticados e ordenados pelo presidente (russo, Vladimir) Putin, com o propósito de ajudar Donald Trump e de prejudicar Hillary Clinton”, completou o senador democrata Mark R. Warner, vice presidente do comitê.

Os membros do Comitê de Inteligência do Senado reuniram-se hoje com o ex-diretor de Inteligência Nacional James Clapper, com o ex-diretor da CIA John Brennan e com o ex-diretor administrativo da CIA Mike Rogers para tratar de suas conclusões. O caso vem sendo investigado pelo conselheiro especial Robert Muller, que não esteve presente nesse encontro.

Ao comentar os resultados contrastante com os encontrados pelo comitê da Câmara, o senador Burr disse não ter certeza de que os deputados tenham comprovado cada conclusão com fatos. No Senado, informou, sua equipe passou 14 meses “revisando as fontes, o trabalho de propaganda e o trabalho analítico” produzido pelos organismos de inteligência.

“Não vemos razão para contestar as conclusões”, afirmou Burr.

(Com AP)